Entre Páginas – Divergent

Por , 30 de julho de 2012 22:52

 

Cenários pós-apocalípticos, governos totalitários, rebeldia… Tem como não amar distopias?

Ao contrário do que acontece com romances sobrenaturais ou outras obras voltadas para o público jovem adulto, acredito que nesse gênero os autores têm um espaço maior para criar, uma vez que constroem mundos, sociedades e regimes do zero. Acho que foi por isso que eu (ainda) não consegui enjoar do estilo e sigo na minha jornada por novas distopias.

Dentre as centenas de títulos que têm sido lançados nos últimos tempos, um dos que mais chamou a minha atenção foi Divergent, da Veronica Roth. Primeiro, pela capa lindíssima. Depois, pela sinopse e, em seguida, pela escrita hipnótica.

E foi por esses e outros motivos que me inscrevi avidamente na booktour do Murphy’s Library e acabei devorando quase que instantaneamente este livro!

 

Na Chicago distópica de Beatrice Prior, a sociedade está dividida em cinco facções, cada uma dedicada a cultivar uma virtude em particular—Candor (os honestos), Abnegation (os generosos), Dauntless (os bravos), Amity (os tranquilos), e Erudite (os inteligentes). Uma vez ao ano, todos os adolescentes com 16 anos devem selecionar a facção para a qual devotarão o resto de suas vidas. Para Beatrice, a decisão está entre permanecer com sua família ou ser quem ela realmente é—ela não pode ter os dois. Sua escolha surpreende a todos, inclusive a si mesma.

Durante a altamente competitiva iniciação que se segue, Beatrice se torna apenas Tris e luta para identificar quem são seus amigos de verdade—e onde, exatamente, um romance com um garoto às vezes fascinante, às vezes exasperante, se encaixa em sua vida. Mas Tris também tem um segredo, um que ela mantem escondido de todos porque foi alertada de que isso pode significar sua morte. E ao descobrir um crescente conflito que ameaça destroçar sua sociedade aparentemente perfeita, ela também descobre que seu segredo talvez possa ajudar a salvar aqueles que ela ama… Ou destruí-la.

(Sinopse traduzida pela Maeva, do Murphy’s Library)

 

Continue Lendo!

Fala Série! – Moonlight

Por , 27 de julho de 2012 9:00

(Post originalmente publicado na coluna #PsychoSeries, no Psychobooks)

 

 

Um vampiro atormentado conhece uma humana e se apaixona por ela. Oh, wait!

Continue Lendo!

Aumenta o som! – Snow Patrol no Brasil!

Por , 26 de julho de 2012 20:51

 

Você já ouviu falar sobre eles por aqui

…e agora poderão conferir (novamente) o grupo irlandês em terras brasileiras!

Hoje o Snow Patrol confirmou que fará três apresentações no Brasil em outubro para divulgar o CD Fallen Empires: dia 09 no Rio de Janeiro (Citibank Hall), dia 10 em São Paulo (Credicard Hall) e dia 11 em Belo Horizonte (Chevrolet Hall).

Os ingressos estarão disponíveis para pré-venda no dia 30/07 e para venda em 05/08. #TodosCorre!

IM-PER-DÍVEL!!!

Só tenho uma coisa a “dizer” sobre isso:

 

 

Enquanto isso, que tal dar play em um dos maiores sucessos da banda? Chega mais!

 

Top Ten Tuesday #11 – Mundos mais vívidos

Por , 24 de julho de 2012 23:13

 

Top Ten Tuesday é um meme hospedado pelo blog The Broke and The Bookish

 

A cada página, a imersão em um mundo novo. O desbravamento de seus cheiros e sons, imagens e texturas…

Alguns são tão reais que você tem a nítida sensação de estar ali, andando por suas ruas, convivendo com seus moradores, vivendo a sua história.

Pois é justamente este o tema do TTT de hoje: os mundos mais vívidos da literatura.

Preparado para essa viagem?

Entre Páginas – Legend

Por , 21 de julho de 2012 20:22

Já faz um tempinho que eu estava curiosa para colocar as mãos em Legend, da autora estreante Marie Lu. O livro foi mais do que elogiado por diversos blogs nacionais e internacionais e logo passou a ser indicado como uma das melhores distopias dos últimos tempos… E não é que eles tinham razão?

 

Uma vez conhecida como a costa oeste dos Estados Unidos, a República é agora uma nação permanentemente em guerra com suas vizinhas, as Colônias.

Nascida em uma família de elite em um dos distritos mais ricos da República, June, uma menina de quinze anos, é um prodígio militar. Obediente, passional e comprometida com o seu país, ela tem sido treinada para o sucesso nos círculos mais importantes da República.

Nascido na escória do Setor Lake da República, o garoto de quinze anos Day é o criminoso mais procurado do país. Mas seus motivos podem não ser tão maliciosos como aparentam…

Vindos de mundos diferentes, os caminhos de June e Day não têm por que se cruzarem – até o dia em que Metias, o irmão de June, é assassinado e Day se torna o principal suspeito. Agora, preso no velho jogo de gato e rato, Day se vê em uma corrida pela sobrevivência da sua família, enquanto June tenta desesperadamente vingar a morte de Metias.

Mas uma chocante mudança nos eventos leva os dois a descobrirem a verdade por trás do que realmente os levou a se encontrarem e a sinistra realidade de até onde o seu próprio país é capaz de ir para esconder os seus segredos.

 

Preparem as suas mentes e os seus corações para uma verdadeira montanha-russa de emoções!

Continue Lendo!

Nota Musical – Keane

Por , 19 de julho de 2012 0:05

 

Misture um vocal marcante com um piano bastante presente, melodias viciantes e letras inspiradoras. O resultado é o som da banda inglesa Keane, há dez anos na estrada e que em agosto realizará o seu segundo show aqui no Brasil!

Apesar de ter sido formado lá em 1997, o grupo formado atualmente por Tim Rice-Oxley, Tom Chaplin, Richard Hughes e Jesse Quin (anexado ao grupo em 2007), só foi lançar o seu primeiro álbum de estúdio (Hopes and Fears) em 2004. Mas a espera valeu a pena! Com o single Everybody’s Changing a banda faturou dois Brit Awards naquele ano – Melhor Revelação Britânica e Melhor Álbum Britânico – e foi inserido, finalmente, no circuito dos grupos de rock ingleses.

E esse foi só o começo! Desde então, o grupo lançou mais quatro CD’s: Under the Iron Sea (2006), Perfect Symmetry (2008) e Strangeland (2012), além do EP Night Train, lançado em 2010.

Sobre Strangeland vale um comentário à parte. O álbum levou quatro (!) anos para ficar pronto, período no qual a banda ficou um pouco afastada da grande mídia – não preciso nem dizer que os boatos sobre um possível término se espalharam que nem pólvora, não é mesmo? Mas a espera foi justificada. Durante uma entrevista cedida a uma plateia de universitários, o grupo disse que optou por não repetir a “afobação” que permeou o lançamento de Perfect Symmetry (o que levou a uma divulgação “meia-boca”) e que, desta vez, preferiram explorar todos os passos de um grande release.

Cá entre nós, o resultado não poderia ter sido mais inspirador! A “vibe” do álbum é um tanto nostálgica – se remete constantemente a antigos lugares, antigos sentimentos… Um verdadeiro trabalho de garimpo realizado pelo grupo, uma vez que (pasmem!) para que as 12 músicas fossem escolhidas, 82 (!!!!) foram escritas! Haja trabalho!

E, pelo visto, deu certo… O novo CD foi da gravadora direto para os principais rankings internacionais e a sua tour passará por diversos lugares do mundo – inclusive no Brasil! #TodasSurta. A banda vai abrir o show do Maroon 5 em São Paulo e no Rio de Janeiro e prometem levantar a plateia!

Destaque para Somewhere Only We Know, Bedshaped, Is It Any Wonder, Everybody’s Changing, My Shadow, Disconnected, You Are Young e Silenced By The Night

 

 

 

Cafelícia – Coincidências cafeísticas

Por , 18 de julho de 2012 8:00

Lá estava eu, em um belo dia de sol (e frio), quando minha atenção se voltou para uma caneca lindíssima, em tons de marrom, laranja e creme. Oh, wait! De onde vocês conhecem essa combinação de cores?

 

 

Parece brincadeira, né? Mas essa caneca, com “Coffee” all over, nas cores do Café com Blá Blá Blá existe! E quem sabe ela não pode dar origem a peças mais customizadas? Fiquem de olho…!

Top Ten Tuesday #10 – Livros para quem gosta de Jogos Vorazes

Por , 17 de julho de 2012 19:42

 

Top Ten Tuesday é um meme hospedado pelo blog The Broke and The Bookish

 

Olá galera!!

Tudo bem com vocês?

O TTT de hoje é mais um daqueles bem amplos, que dão mil e uma possibilidades…

Resolvi indicar então 10 livros para quem gosta de Jogos Vorazes, pelo simples fato de que eu acredito que universos distópicos (quase) sempre dão origem a bons livros (ou pelo menos é isso o que a premissa promete!).

Ao contrário do que acontece muitas vezes nos mundos dos livros sobrenaturais, as obras distópicas demandam uma quantidade maior de criação por parte dos autores, uma vez que um novo modelo deve ser criado – com novas regras, novas sociedades, novos governos… E o resultado sempre é bem curioso!

Portanto, agarre o seu kit de sobrevivência e me acompanhe em mais essa missão!

Entre Páginas – A Culpa é das Estrelas

Por , 12 de julho de 2012 0:05

Como? Como falar sobre A Culpa é das Estrelas? Como expressar os milhares de sentimentos despertados durante a leitura? Como não se emocionar com mais esse belíssimo livro do John Green?

 

a_culpa_e_das_estrelas

 

Hazel é uma paciente terminal. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas.

 

 

Quem acompanha o blog sabe que eu já tenho uma longa história de amor com os livros do John Green. Tudo começou lá nos primórdios do ano passado, quando fui introduzida à sua obra pelo ótimo Quem é você, Alasca? e, desde então, é só ver o nome desse autor estampado em algum livro que eu topo a leitura! (Lembra do conceito de autor bula? Então!).

Continue Lendo!

Fala Série! – The Newsroom

Por , 11 de julho de 2012 18:30

(Post originalmente publicado na coluna #PsychoSeries, no Psychobooks)

 

 

Confesso que ando um pouco desatualizada sobre as séries que estão estreando nessa season (culpem a correria desenfreada do dia a dia de uma pessoa que não tem mais férias sninf sninf). Por isso, foi com muita surpresa que ouvi falar de um novo lançamento da HBO que trazia os bastidores nada glamorosos do mundo das notícias.

Ora, não preciso nem dizer que o tema me fisgou logo de cara, né? Afinal, sempre fui um pouco “deslumbrada” com o universo jornalístico, principalmente o das grandes mídias, e não foi à toa que escolhi essa profissão!

Logo, lá fui eu conferir o primeiro episódio de The Newsroom e… me encantei pela série!

Continue Lendo!