Resultado – Concurso Cultural #TeoremaKatherine

Por , 30 de março de 2013 20:25

selosemanajohngreen

 

Foi um páreo duro. Muito duro. Mas finalmente temos a nossa história vencedora.

Duas das histórias de sobressaíram – e começou uma verdadeira “guerra” de torcidas nos comentários. E a vitoriosa foi aquela que obteve o maior número de votos até às 0:00 de hoje!

Mas, infelizmente, só temos um prêmio para oferecer (sério, gente! Gostaria de premiar a todos! As histórias estavam realmente ótimas!).

E, com 69 votos, quem leva o kit do livro O Teorema Katherine é…

 

*tcham tcham tcham*

 

Rafaela Santos!!!!!!!

 

Parabéns, Rafaela!

A nossa equipe vai entrar em contato por e-mail e você tem 3 dias para responder e garantir o seu prêmio, ok?

 

Para todos que participaram, muito obrigada! Fiquem de olho que em breve teremos novas promoções!

A Votação: valendo um kit de #TeoremaJohnGreen

Por , 29 de março de 2013 16:33

selosemanajohngreen

 

Foi muito, mas muito difícil selecionar os finalistas desse concurso cultural…

Gente, como vocês se metem em enrascada durante as suas viagens!!! Tem uma situação “pior” do que a outra!!

Como recebemos muitas histórias boas – seja por causa de micos, lugares inusitados ou surpresas inesperadas -, acabamos escolhendo 5 finalistas (ao invés de 3).

E agora, jogamos o bastão para vocês! Qual dessas histórias merece um kit de O Teorema Katherine? Não deixem de votar na sua favorita, aqui nos comentários!!!

VOTAÇÕES ENCERRADAS!!! Amanhã anunciaremos o vencedor!!!
 

1. Luana Pereira – O mar e o acarajé em Aracajú.

Desde pequena, meu sonho sempre foi fazer uma viagem para algum lugar que tenha praia (um sonho um tanto comum entre pessoas que vivem longe do mar, assim como eu, que moro no lugar mais seco do universo – sim, Brasília!).

Quando finalmente meus pais me levaram para Aracajú, não pude conter minha felicidade juvenil e corri para o mar. Entretanto, a doida aqui não sabe nadar e acabou sendo carregada por uma onda (que nem era grande, afinal) para o fundo, se afogando, e enchendo o buxo de água salgada (que aliás, é terrível!). O mais engraçado foi minha mãe correndo para me socorrer e me tirar de lá sã e salva. Depois (calma, que ainda tem mais mico), querendo experimentar a comida típica da região, acabei comprando um acarajé de uma moça que passava vendendo (NUNCA FAÇAM ISSO!) e, quando ela perguntou “quente ou frio”, respondi quente por não saber (NUNCA FAÇAM ISSO!). Resultado: me ferrei ao ver que o troço estava cheio de pimenta!!! O pior de tudo foi que fiquei com uma dor de barriga horrível e tive que ir para o hospital e passar minhas férias internada. YAAY!!! Só que não.

 

2. Idalina Bordotti – Cemitério de múmias na Bolívia

Diria que foi bizarro… Fiz a viagem dos meus sonhos em junho do ano passado. Uma das etapas era passar 3 dias em um jipe no meio do deserto boliviano, passando por deserto de sal e paisagens incríveis.

Eis que, do nada, o motorista nos leva para um local com pequenas grutas feitas de pedra e nos explica que ali era um cemitério de múmias. Eu já não sou fã de cemitério e muito menos gostaria de colocar minha cabeça na abertura dessas grutas pra ver ossos lá dentro…

Não quis ver, mas no final da viagem eu e meus amigos trocamos fotos, e acabei recebendo um grande número de fotos dos esqueletos das múmias.

 

3. Adriana Holanda Tavares – Cuidado! Tinta fresca!

Paramos em uma cidade para almoçar antes de seguir viagem. No restaurante, todos olhavam pra nossa mesa e ficavam comentando e rindo, e nós, sem saber o motivo. Depois que saímos do estabelecimento, vimos que as cadeiras estavam recém pintadas e ficamos com a roupa toda manchada – não percebemos, porque ninguém disse nada e tinhas umas fitas de proteção, que achamos que era pra ser uma área reservada!!!

 

4. Paula Zuge – Hum… Bolo com cabelo!?

Era um dia de sol. Estávamos nós, cinco pessoas, dentro do carro, à caminho do aniversário de um primo que seria em uma cidadezinha a uns 150km de distância de onde morávamos. Meu pai estava dirigindo, minha mãe no banco da frente, ao seu lado. Eu, minha irmã e minha tia estávamos no meio do banco de trás. Nós estávamos levando um bolo para a festa. Daqueles bem gostosos, cheios de cobertura deliciosa e recheio de chocolate…

Um pouco depois da metade do trajeto foi que o acidente aconteceu. O carro, de alguma maneira (não me lembro exatamente o que aconteceu, se deslizamos ou se o pneu furou. Bem, ele estava furado no fim da história…), foi parar na beira da estrada. E o bolo, que estava no suporte do porta-mala, foi parar direto no cabelo da minha tia.

Meu pai saiu do carro nervoso, preocupado com seu automóvel, enquanto minha tia fazia cara de desespero por seu cabelo cheio de cobertura de bolo. Eu não sabia o que fazer: se ficava desesperada pelo acontecido ou se ria da minha tia. Foi um misto de bizarro, de querer rir, e de agonia.

No final das contas, não aconteceu nada de grave. O pneu foi trocado, mas não fomos para a festa, e sim direto para casa! Saímos daquela viagem com uma bela de uma história para contar! Ainda bem que o cabelo não era meu!

 

5. Rafaela Santos – Do Google às armas

Acho que todo mundo tem aquele parente metido a sabichão, que diz conhecer tudo e todos os lugares. Na minha família, é o meu pai.

Eu moro no litoral, e queríamos ir para a capital onde mora uma de minhas tias. Meu pai tinha acabado de comprar um carro, e achava que era melhor ir de carro do que ir de ônibus. Bom, seria melhor mesmo, se ele soubesse o caminho. Para o meu pai, tudo é o Google – se não sabe de alguma coisa é só jogar no Google. Então, demos uma olhada no Google Maps e não perdemos tempo: confiando no 3G do meu celular, partimos para a estrada.

Estava dando certo, até que estávamos na serra e não havia mais sinal. Não dava para fazer ligação, muito menos entrar na internet. Mas meu pai não se deu por vencido, e nem daria, aquele ali é muito orgulhoso. Continuamos na estrada, com fome, sede, vontade de ir ao banheiro porque não havíamos pensado que teria tantos imprevistos.

Paramos em alguns postos para pedir informações, e no último posto encontramos um velhinho que, como meu pai, era metido a sabichão. Ele disse para meu pai que havia um atalho para onde estávamos indo, e que era tranquilo de ir. Cansados de dar tantas voltas, seguimos a dica do velhinho e fomos para esse atalhos. Eis que então acabamos parando no meio do nada, havia uma pequena casa de madeira e um abismo. Sim, um abismo.

Descemos do carro, e fomos em busca de informações. Mas acho que ao ouvir o barulho do nosso carro, o homem que morava na casa se assustou e deve ter pensado algo extremamente ruim sobre nós porque ele nos recebeu com a maior arma que já vi na minha vida (Não que eu tenha visto muitas). Meu pai ficou fazendo gestos para que o rapaz abaixasse a arma, e mandou a gente voltar pro carro. Até pensamos em dar no pé e deixar meu pai por lá, de tanto medo, mas ninguém sabia dirigir então resolvemos esperar. Meu pai conseguiu falar com o cara sem levar nenhum tiro, e voltamos pra estrada. Voltamos no posto e encontramos outra pessoa que trabalhava por lá, ele nos contou que o velho que conversou com a gente não batia bem, e nos indicou o caminho certo. Demorou, mas chegamos na casa de minha tia. Inteiros!

 

Deixem o seu voto nos comentários!!!

A Culpa é das Estrelas… Nas telonas!

Por , 28 de março de 2013 23:14

selosemanajohngreen

 

Toda vez que recebemos a notícia que aquele livro do qual gostamos vai receber uma versão cinematográfica, já começamos a sentir aquele “friozinho” na barriga…

“Será que os roteiristas vão se manter fiéis ao livro?”

“Será que os meus quotes favoritos vão aparecer no filme?”

E pior: “Será que os atores vão fazer jus a personagens tão amados?”

Acredito que essas foram algumas das perguntas que surgiram na mente dos nerdfighters* quando o John Green anunciou a adaptação de A Culpa é das Estrelas para o cinema.

 

culpa-estrelas-filme37826

 

O que “ajuda” a diminuir um pouco a ansiedade é saber que o próprio John se diz bem feliz com as notícias acerca de ACDE. Boa notícia!!!

 

O diretor Josh Boone

O diretor Josh Boone

A atriz Shailene Woodley

A atriz Shailene Woodley

Mas… O que se sabe até agora?

– Os direitos foram comprados pela FOX;

– O diretor escolhido para levar o filme para a telona é o Josh Boone;

– Os roteiristas serão: Scott Neustadter e Michael H. Weber (500 Dias com Ela);

– A atriz que interpretará Hazel Grace também já foi escolhida: será a Shailene Woodley (Os Descendentes).

 

O que esperamos?

– Que o filme seja tão awesome quanto o livro, claro!!!

 

E aí? Alguém tem algum palpite sobre quais atores seriam as melhores escolhas para os outros personagens? (Vulgo: “Quem vai interpretar o Augustus, minha gente???”)

 

Não deixem de dar a sua opinião!

Até lá, só nos resta ler – e reler, e reler, e reler – as páginas do livro… E nos apaixonarmos (de novo) por essa bela história!

 

*mais sobre o assunto amanhã!

Encontrando John Green

Por , 27 de março de 2013 16:00

selosemanajohngreen

 

Uma breve biografia

 

john_greenJohn Green nasceu em Agosto de 1977, na cidade de Indianapólis, Estados Unidos. Ele se formou no ano 2000 em Inglês e Estudos Religiosos. No início de sua carreira, Green escrevia críticas de livros para periódicos como a Booklist Magazine e para o New York Times.

Foi em 2005 que ele publicou seu primeiro livro, Quem É Você, Alasca? ganhador do prêmio Michael L. Printz, da ALA (American Library Association) de 2006, por “excelência em literatura para jovens adultos.”

Em 2007, John e seu irmão Hank Green criaram o Brotherhood 2.0, um projeto no qual eles não poderiam se comunicar via texto durante um ano. Os vídeos entre os dois fizeram tanto sucesso que após o término do projeto original, John e Hank criaram o website Nerdfighters e continuam postando vídeos toda semana sobre os assuntos mais diversos. Se vocês nunca pararam para ver os vídeos dos “vlogbrothers” como eles são conhecidos, eu sugiro começar com os vídeos de Thoughts from Places: meu preferido é o de Los Angeles após o tsunami + terremoto no Japão.

Logo após Alasca, Green escreveu o divertido O Teorema Katherine, e Paper Towns. Green também é o autor de Will Grayson, Will Grayson juntamente com David Levithan, e teve histórias publicadas em 21 Proms e Let It Snow. Finalmente em 2012, dois anos após seu último lançamento, John Green publicou A Culpa é das Estrelas, expandindo ainda mais sua influência pelo mundo.

Uma coisa que todas as histórias contadas por Green tem em comum são suas narrativas carismáticas e personagens com os quais nós conseguimos nos identificar de uma forma ou outra. Ele nos conta histórias simples mas fascinantes, que nos  tocam fundo, nos fazem pensar, rir e chorar, independente da nossa idade.

Green e a criadora da capa de Katherine

Green e a criadora da capa de Katherine

Conhecendo John Green

Foi no evento de lançamento de A Culpa é das Estrelas que eu tive a honra de ficar frente a frente com John Green por cinco segundos. Para promover seu novo livro, John e Hank Green saíram pelo país fazendo mais um show do que uma sessão de autógrafos, e a primeira parada foi aqui em Boston. O evento estava marcado para às 19:00 e começou pouco tempo depois, com o Hank Sock apresentando John Green. Mr. Green entrou no palco para alegria geral das (cerca de) 500 pessoas no auditório. Extremamente formal vestindo um terno cinza, ele leu um pouquinho do capítulo 2 de A Culpa é das Estrelas. Hank então subiu ao palco e cantou uma música que compôs especialmente para o livro.

A noite seguiu com John e Hank respondendo a perguntas dos fãs, e se eu tivesse que escolher apenas um momento inesquecível, ele seria quando John falou sobre Esther Earl, a quem o livro é dedicado. Esther era uma nerdfighter de Massachusetts que faleceu em 2010 vítima de câncer. A família de Esther estava presente e o público os aplaudiu de pé, por todas as coisas que Esther fez por essa comunidade, pela inspiração que ela foi e continua sendo para todos que tiveram a oportunidade de conhecê-la. John Green foi uma dessas pessoas. Ele disse que seu novo livro não teria sido possível se ele não tivesse conhecido Esther, mas que gostaria de lembrar que o livro não é a história de Esther, mas sim uma obra de ficção na qual ele vem trabalhando desde muito antes de conhecê-la.

Antes das 21h, os irmãos Green se dirigiram à uma mesa no corredor para assinar os livros e CDs. E nós esperamos. E esperamos mais um pouco. E só para as coisas não ficarem muito monótonas, nós esperamos mais um pouco. Já passava das 23h quando entramos na fila, onde tivemos que – adivinhem! – esperar novamente, por mais de uma hora, mas sempre com bom humor. Logo após passar pelo laptop que ainda mostrava o livestream do show no YouTube e mandar um “hello to my friends watching this in Brazil(a Sabrina estava assistindo!!!) nos deparamos com uma mesa e um livro a ser assinado pelas pessoas presentes no evento. Como eu sou conhecida por minha originalidade, escrevi um “Hello from Brazil – Love, Vania” em uma das últimas páginas. Yay me!

Somente faltando apenas algumas pessoas para terem seus livros autografados antes de mim, e podendo ouvir cada resposta que ele dava a seus fãs, foi que a minha ficha caiu. Olhei pra minha amiga que havia me acompanhado, embora não conhecesse os trabalhos de Green, e falei algo como “Caraca, Marci! O John Green está bem ali!” e ela me olhou com uma expressão que perguntava silenciosamente se eu havia batido a cabeça ou algo parecido. Mas eu estava prestes a “conhecer” um dos meus autores favoritos, o terceiro Jota da minha trindade, e somente ao ouvir sua risada tão familiar por conta de seus vídeos, e vê-lo à apenas alguns metros de distância foi que eu me dei conta de que: 1. ele realmente estava ali e eu ia falar com ele, e 2. Oh céus, o que eu vou falar pra ele?

Tentando me lembrar do que Hank e John escreveram no programa (sim, o evento tinha um programa!) sobre conhecer os fãs (basicamente eles diziam que os fãs ficavam nervosos mas eles também, pensando se iam dizer a coisa certa ou se nós iríamos nos decepcionar e gostar menos deles depois de uma breve interação), eu ergui a cabeça e segui em frente. A Marci foi primeiro, e arrancou risos do John quando pediu o seu Quem É Você, Alasca? dedicado à Bellatrix e o meu Paper Towns dedicado à Tonks (longa história). Quando chegou a minha vez, eu disse um “oi” extremamente empolgado e ele respondeu da mesma forma. Antes que ele pudesse dizer qualquer outra coisa, eu soltei a frase mais óbvia que veio à minha mente: “você deve estar realmente cansado,” e ele sempre um cavalheiro, disse que estava, mas que valia a pena e então me agradeceu por ter esperado tanto tempo. Agora que eu havia começado, eu estava disposta a ir até o fim apesar de estar tremendo de ansiedade, e disse que era eu que tinha que agradecer: pelos vídeos dele, pelos livros, por compartilhar suas palavras tão bonitas e por ser uma inspiração. Ele sorriu, meio tímido, e agradeceu novamente, terminando de assinar meus livros e me desejando uma boa noite.

Foi a vez de Hank Green então, e a Marci pediu outro hanklerfish no exemplar dela de A Culpa é das Estrelas (John Green assinou toda a primeira edição do livro e em alguns exemplares Hank desenhou um anglerfish – batizado de hanklerfish porque bem, ele é o Hank). Eu dei meu programa para ele assinar e me lembro de ter dito “oi” mas nada mais. Eu sei que falei mais alguma coisa, mas o nervosismo por ter acabado de estabelecer um diálogo com John Green era tão grande que eu não me recordo.

Mais de um ano e diversos eventos depois, essa continua sendo a noite literária mais divertida que já tive a oportunidade de participar. Não apenas pela interatividade, mas porque ser fã de John Green é poder abraçar nosso lado nerd, celebrar a literatura, o direito de lermos o que nos dá prazer, é ser tratado de igual pra igual por alguém que te inspira. É ser awesome e não se esquecer disso nem por um minuto!

Entre Páginas – O Teorema Katherine

Por , 26 de março de 2013 16:00

selosemanajohngreen

 

Livro novo do John Green! Precisa de mais algum motivo para sair correndo para a livraria mais próxima? Encantada pela escrita do autor, fiquei quase eufórica quando descobri que a Editora Intrínseca havia adquirido os direitos das suas obras… Logo, imaginem minha alegria ao receber uma prova adiantada de O Teorema Katherine!? Não teve jeito: o livro furou fila!

 

O-Teorema-KatherineSe o assunto é relacionamento, o tipo de garota de Colin Singleton tem nome- Katherine. E, em se tratando de Colin e Katherines, o desfecho é sempre o mesmo- ele leva o fora. Já aconteceu muito. Dezenove vezes, para ser exato. Após o mais recente e traumático pé na bunda, o Colin que só namora Katherines resolve cair na estrada. Dirigindo o Rabecão de Satã, com seu caderninho de anotações no bolso e o melhor amigo no carona, o ex-garoto prodígio, viciado em anagramas e PhD em levar o fora, descobre sua verdadeira missão- elaborar e comprovar o Teorema Fundamental da Previsibilidade das Katherines, que tornará possível antever, através da linguagem universal da matemática, o desfecho de qualquer relacionamento antes mesmo que as duas pessoas se conheçam. Uma descoberta que vai entrar para a história, vai vingar séculos de injusta vantagem entre Terminantes e Terminados e, enfim, elevará Colin Singleton diretamente ao distinto posto de gênio da humanidade. Também, é claro, vai ajudá-lo a reconquistar sua garota. Ou, pelo menos, é isso o que ele espera.

 

Ah, o humor greeniano! Você não se dá conta de quanto sente falta da sua narrativa divertida e irônica até colocar as mãos em mais um livro do autor!

 

Continue Lendo!

Concorra a um kit da Semana #TeoremaJohnGreen!

Por , 25 de março de 2013 19:00

selosemanajohngreen

A Semana #TeoremaJohnGreen já está a todo vapor…

E quer coisa melhor do que devorar as páginas de O Teorema Katherine, com direito a um kit DI-VO para acompanhar a leitura?

Foi justamente pensando nisso que o Café com Blá Blá Blá, em parceria com a Editora Intrínseca, vai disponibilizar um kit com livro + marcador + botton + pote de ímãs de palavras + uma caixa exclusiva para os nossos leitores!

E para participar da promoção é bem fácil!

No livro, depois de levar um “chute” da 19ª Katherine, Colin decide se aventurar com seu melhor amigo, Hassan, em uma viagem de carro pelos Estados Unidos. Um dos “pontos altos” dessa road trip é a visita ao “túmulo” do arquiduque Francisco Ferdinando, cuja morte serviu como um dos estopins para o início da Primeira Guerra Mundial.

A situação pode ser extremamente inusitada… Mas quem está acostumado a viajar sabe que às vezes nos deparamos com coisas no mínimo bem “estranhas” durante o trajeto.

Por isso, para concorrer ao kit descrito acima, é só preencher o formulário abaixo contando alguma situação esquisita, bizarra ou engraçada com a qual você se deparou durante uma viagem.

Na sexta-feira (29), vamos publicar as três melhores e vocês nos ajudarão a escolher a vencedora através de uma votação, combinado?

Lembrando que para validar a participação é preciso curtir as páginas do Café com Blá Blá Blá e da Editora Intrínseca no Facebook, ok?


Retire o álbum de fotografias do armário, abra a galeria de fotos do celular… E boa sorte!

 Os finalistas já foram selecionados!!! Vote na sua história favorita!!!

#TeoremaJohnGreen

Por , 25 de março de 2013 16:00

selosemanajohngreen

“Qual o sentido de estar vivo se você nem ao menos tenta fazer algo extraordinário?”

 

1 prodígio + 1 árabe + 1 viagem de carro + 1 teorema + 19 Katherines = um livro genial.

Essa fórmula poderia ser utilizado para definir O Teorema Katherine, do autor ainda mais genial John Green.

Sim, “puxo sardinha” mesmo! Se você acompanha o blog já sabe que me tornei fã de carteirinha do autor desde que me deparei com seu humor cáustico em Quem é Você Alasca?. E, desde então, nunca mais me afastei de suas páginas.

Agora, essa história está prestes a ganhar um novo capítulo…

Isso porque essa semana chega às prateleiras brasileiras O Teorema Katherine, publicado pela Editora Intrínseca! (#todossurta)

O livro conta a história de Colin Singleton, um garoto prodígio que conseguiu a façanha de ser “chutado” pela 19ª Katherine com quem namorou. Para superar esse evento “traumático”, o menino é convencido por seu melhor amigo a fazer uma viagem de carro – durante a qual ele passa a desenvolver o “Teorema Katherine” que, supostamente, deve representar uma fórmula geral que prevê quanto tempo um relacionamento pode durar. E tudo “embrulhado” por uma narrativa gostosa e divertida!

 

O-Teorema-Katherine

Após seu mais recente e traumático pé na bunda – o décimo nono de sua ainda jovem vida, todos perpetrados por namoradas de nome Katherine – Colin Singleton resolve cair na estrada. Dirigindo o Rabecão de Satã, com seu caderninho de anotações no bolso e o melhor amigo no carona, o ex-criança prodígio, viciado em anagramas e PhD em levar o fora, descobre sua verdadeira missão: elaborar e comprovar o Teorema Fundamental da Previsibilidade das Katherines, que tornará possível antever, através da linguagem universal da matemática, o desfecho de qualquer relacionamento antes mesmo que as duas pessoas se conheçam.

Uma descoberta que vai entrar para a história, vai vingar séculos de injusta vantagem entre Terminantes e Terminados e, enfim, elevará Colin Singleton diretamente ao distinto posto de gênio da humanidade. Também, é claro, vai ajudá-lo a reconquistar sua garota. Ou, pelo menos, é isso o que ele espera.

 

E é claro que uma ocasião especial como essa não poderia passar batido na blogosfera, certo? É por isso mesmo que durante toda essa semana, vocês poderão acompanhar uma verdadeira maratona de posts não só aqui no Café, mas também em diversos blogs literários!

O que esperar? Curiosidades, resenhas, desafios, promoções… e muitas surpresas!

Ficaram curiosos??? Então fiquem ligados nos blogs participantes e não deixem de acompanhar esse especial!

 

Blogs principais:

Brincando com Livros
Este já li
Literalmente Falando
Nem um pouco épico
Who’s Thanny

 

Blogs de suporte:

Café com Blá Blá Blá
Central Perk and Books
Coisas de se ler
Conversa Cult
Jornalistando
Ler, imaginar e criar
Livros e Vagalumes
The Book is on the Shelf
Três Lápis

 

“Eu me dei conta uma coisa. O futuro é imprevisível”.

 

Entre Páginas – Se Eu Ficar

Por , 24 de março de 2013 16:31

Minha relação com Se Eu Ficar, da autora  Gayle Forman é um tanto conturbada… Após uma tentativa frustrante de ler o livro, resolvi retomá-lo um ano depois, a partir do começo. E ele acabou se revelando um livro rápido, comovente até onde pode ser, e com passagens para se pensar. Mas já adianto: é uma leitura da qual não se pode esperar muito!

 

Se eu ficarAos 17 anos, a musicista Mia é uma adolescente como tantas outras. Tem pais amorosos, uma melhor amiga e um namorado apaixonado. Sua vida, no entanto, não é livre de escolhas dolorosas, como decidir se permanece fiel ao seu primeiro amor – a música –, mesmo que isto signifique perder seu namorado e deixar todos os que ama para trás.

Em uma manhã de fevereiro, Mia sai para um passeio com a família e, em um instante, tudo muda. A última coisa que lembra é estar no carro com seus pais e seu irmão mais novo, Teddy, em uma estrada repleta de neve. De repente, está em pé fora do seu corpo, ao lado dos cadáveres de seu pai e sua mãe, observando ela e o irmão serem atendidos pelos paramédicos. Por meio dos flashbacks e dos pensamentos de Mia, o texto explora a vida da adolescente, sua paixão pela música clássica e sua forte relação com a família, com o namorado, Adam, e com a melhor amiga, Kim.

 

Continue Lendo!

Fala Série! – A Guerra dos Tronos continua…

Por , 18 de março de 2013 16:34

O dia 31 de março se aproxima.

E, com ele, a volta de uma das séries mais populares dos Sete Reinos, ou melhor, do universo seriemaníaco.

O tempo passou e, depois de muito, muito esperar, a terceira season de Game of Thrones começa a despontar no horizonte!

Os primeiros trailers já começaram a sair e gente… Parece que vem coisa boa por aí!

Se vocês acompanharam as reviews da segunda temporada de GoT aqui no blog, sabem que eu tive um certo “problema” com as adaptações de algumas partes – vulgo “Mindinho não tem esse poder todo não, minha gente!” – mas que, no geral, continuo considerando esta uma ótima produção televisiva.

E agora eu pergunto a vocês: caros leitores, vocês querem que o Café continue comentando os episódios separadamente ou preferem uma review geral, no final da temporada? A escolha é sua!

Vou deixar uma enquete na nossa página do Facebook até o dia do retorno da série, ou seja, dia 31 de março, onde vocês podem dar a sua opinião!

E que a melhor opção conquiste o trono vença!

(Enquanto isso, que tal conferir o último spot da série???)

 

Cafelícia – Segundas podem ser ótimas!

Por , 18 de março de 2013 1:33

monday

 

Segundona fria e nublada. Dá até preguiça de levantar da cama, não é mesmo?

Mas nada que um café quentinho não dê jeito!

Parece que a bebida traz com sigo um “poder mágico” que, pouco a pouco, vai espantando o frio e o desânimo e deixa um rastro de disposição por onde passa…

E vejamos: muitas coisas boas acontecem nesse dia da semana! Como por exemplo, o homem chegar à lua! Ou o surgimento do primeiro herói de quadrinhos. Ou a primeira badalada do Big Ben…

Pensando nisso, resolvi compartilhar com vocês esse comercial pra lá de divertido criado para o Starbucks, que prova que sim, as segunda podem ser ótimas! (E que você pode conseguir lattes por um preço reduzido nesse dia – damn you awesome english people!)

Uma boa semana para todos!