O “gênero” New Adult

Por , 14 de outubro de 2014 9:00

Especial New adult

 

O que é o New Adult?

Vamos começar do começo: afinal, o que é o New Adult (ou NA, para os íntimos)?

É um gênero, faixa etária, categoria…?

A verdade é que a sua definição ainda divide não só os leitores, mas toda a cadeia editorial (editores, distribuidores, livreiros…).

A princípio, o New adult seria uma faixa etária. Temos os livros infantis, voltados para as crianças pequenas; os “middle grade”/juvenis, para as crianças mais velhas; os recém declarados “Young adults” (YA), para os adolescentes de 14 a 18 anos; e os livros adultos, em toda a sua abrangência.

Porém, nos últimos anos, surgiu uma grande quantidade de obras voltadas para suprir a “lacuna” entre os YA e os livros “adultos”. São obras voltadas para jovens, em sua maioria entre 18 e 25 anos, que estão em fase de transição da adolescência para a vida adulta.

Esse público tem dilemas mais complexos do que os dos jovens adultos: a entrada em uma faculdade, a conquista da sua independência, o início da vida sexual e o aumento das responsabilidades.

Porém, assim como aconteceu com as obras YA, o termo New adult, passou a ser usado para definir não só essa faixa etária, mas todos os livros que possuem as temáticas citadas acima. Ou seja, de uma classificação de público, o termo acabou se tornando um “gênero”.

Por exemplo, não importa se os personagens de uma ficção científica possuem idades entre 18 e 25 anos. Ela é classificada apenas como ficção científica. Agora, se você está lendo um livro sobre dois jovens com essas idades, que se conhecem, se apaixonam e sofrem juntos… Isso sim é um NA.

 

O que é que o New adult tem?

Considerando o NA como um “gênero”, podemos traçar algumas características comuns à maioria das obras:

– Personagens com idades entre 18 e 25 anos;
– Estudantes de universidades e/ou recém-formados;
– Jovens que vivem fora da casa dos pais (seja em apartamento/casa próprios ou no dormitório da faculdade), com certa independência financeira;
– Personagens com um histórico triste e/ou traumático (pelo menos um deles);
– Portanto, drama. Muito drama.
– Um romance que surge instantaneamente (ou, em raros casos, que vai se desenvolvendo durante a narrativa) e que de repente se tornam “tudo na vida” dos personagens;
– Cenas de sexo que vão além do simples “e foram para o quarto/no dia seguinte” (ou seja, passagens mais “calientes” e ricas em detalhes);
– Em muitas vezes casamento e/ou gravidez.

Claro, de vez em quando surge algum título que foge às regras, mas em sua maioria um New adult possui pelo menos três desses elementos combinados.

Eles podem até ser um tanto previsíveis, mas também são altamente viciantes para os fâs do gêneno.

 

8 ou 80

Assim como acontece com todos os gêneros, o New adult é pontuado por livros bons e ruins.

Mas, ao contrário do que temos observado nos outros gêneros, o New adult possui um contraste absurdo entre as obras: ou são ótimas ou são péssimas. Não existe um meio-termo aqui.

Isso acontece por uma série de fatores, mas destacamos aqueles que podem ser decisivos na hora de “detonar” um livro desse gênero:

– A previsibilidade (ou falta de) enredo: justamente por possuir uma combinação de elementos comuns, que se repetem na maioria das obras (vide as características destacadas no tópico acima), o NA muitas vezes acaba se prendendo apenas aos clichês… E não é nada além daquilo. O livro vira um jogo de gato e rato entre a mocinha ingênua e o mocinho bad boy e se torna uma repetição sem fim de: eles ficam juntos-ele dá mancada-ela foge-ele vai atrás-eles ficam juntos-ele dá mancada…

– Falta de desenvolvimento dos personagens: assim como alguns enredos podem ser inexistentes, isso também pode acontecer com a personalidade de alguns personagens. O foco é tão grande no “amor instantâneo” que o autor esquece que um bom livro é construído por bons personagens. Quem eles são? O que almejam? O que fazem além de suspirar pelo outro? Parece óbvio, mas às vezes os protagonistas são tão apáticos que ao terminar a leitura nem lembramos mais o nome deles.

– Desenvolvimento “errôneo” dos personagens: pior do que uma mocinha sem sal é uma que age como uma adolescente. Muitos personagens de livros YA conseguem ser mais maduros do que muitos de obras NA. E de personagens “mimizentos” o universo está cheio…

– O excesso de “você é meu amor, minha vida, minha privada entupida”: ok, jovens são impulsivos. Eles acham que tudo é para sempre, que nunca se apaixonarão novamente, que vão morrer se não ficarem juntos. Mas tem alguns autores do gênero que insistem em repetir isso ad nauseum, tornando o texto cansativo.

– O modo “novela mexicana de ser”: tudo está bem, está lindo, maravilhoso, quando… BAM! Uma super tragédia acontece e acaba com a felicidade de todos. Sim, o drama é uma das características presentes na maioria esmagadora das vezes, mas tem que fazer sentido na história. Alguns autores simplesmente “jogam” uma bomba no nada, que não faz o menor sentido na narrativa.

– Cenas de sexo hilárias e/ou constrangedoras: gente, vamos ter uma conversa séria? Não é só porque os personagens são jovens e com os hormônios em ebulição que eles vão sair narrando suas cenas íntimas com palavras de filmes pornôs hiper-trash. Vamos ter mais classe! E não falo só dos palavrões exagerados… Tem muito livro por aí que, ao invés de fazer subir a temperatura desperta lágrimas de rir (Paixão sem Limites, estou falando de você!).

 

Quero começar a ler NA!

Agora que você já se familiarizou com o gênero, por onde começar a ler?

Até pouco tempo atrás, a maioria dos livros NA eram autopublicados (e muitos ainda são). Porém, com o sucesso de alguns títulos, o gênero chamou a atenção das grandes editoras e passou ganhar as prateleiras das livrarias convencionais.

O mesmo aconteceu no Brasil. O New adult começou a ganhar corpo por aqui em meados do ano passado, depois do megassucesso de obras como Belo Desastre. Depois disso, vários títulos foram adquiridos e estão ganhando edições em português.

As principais autoras do gênero são: Colleen Hoover, Jamie McGuire, Katie McGarry, Tammara Webber, Abbi Glines, Cora Carmack, Jessica Sorensen, J. A. Redmerski, Katja Millay e Jennifer L. Armentrout (dessas, apenas a última ainda não foi publicada no Brasil).

Abaixo, fizemos uma seleção com nossos títulos favoritos do gênero (e outros dos quais não gostamos “tanto assim”).

 

COLLEEN HOOVER

De todas as autoras do gênero, a Colleen foi a que mais nos conquistou. Eu (Sabrina) já li 5 livros da autora e gostei bastante de todos! (Destaque para Um Caso Perdido).

Colleen Hoover

 

JAMIE MCGUIRE

Jamie McGuire

 

KATIE MCGARRY

Katie McGarry2

 

TAMMARA WEBBER

Tammara Webber

 

ABBI GLINES

Abbi Glines

 

OUTROS TÍTULOS

Títulos New Adult

7 comentários para “O “gênero” New Adult”

  1. Rafael Oxn disse:

    putz de “métrica” foi o primeiro titulo a exemplificar os títulos só penso uma coisa … PLMDDS!

    Esse livro é horrível colega,tão ruim mas tao ruim que eu lendo gritava “aaaaaaah meu deus acaba logo” … enfim alem de YA mais um gênero pra detestar #apenas

    [Responder]

    Sabrina Inserra disse:

    Oi Rafael,
    O new adult é um gênero muito polêmico, rs.
    Mesmo para quem gosta tem uns títulos que… Argh! Não dá para encarar!
    Beijos

    [Responder]

  2. Faces das Trevas disse:

    Ei, Sabrina, tudo bem?
    Adorei o artigo, achei muito esclarecedor e objetivo, porém no final me veio uma dúvida quando você apresentou algumas sugestões de obras: esse gênero é exclusivamente feminino?
    É uma pergunta um pouco boba, afinal cada um escreve o que quer, não é mesmo? Mas é que eu tenho uma história em mente que se adequou perfeitamente a esse gênero (até então eu a classificava como drama, apenas), e fiquei em dúvida por você não ter mencionado nenhum autor do sexo masculino e por isso resolvi perguntar.
    Enfim, espero que possa me esclarecer essa pequena dúvida, e peço desculpas se falei alguma asneira, afinal eu não entendo muito de gêneros, sou apenas um aspirante inexperiente em busca de conhecimento.
    Um grande abraço e muito sucesso pra você!

    [Responder]

    Pam disse:

    Oi! Sei que não sou ela,mas vi sua pergunta sem resposta é resolvi responder:
    A maioria das autoras é sim mulher, contudo nada te impede de escrever.Tome como exemplo o autor de “Verdade ou consequência”, que além de ser homem é brasileiro.

    [Responder]

  3. Paloma disse:

    Muuuuuito bom. Esclareceu minha dúvida sobre o gênero.
    Nesses tempo peguei pra ler um New Adult, e era tão ruim e tãaaaao drama adolescendo que eu fiquei me perguntando “ué, como assim, essa cabeça juvenil num livro NA? Pode isso arnaldo!!?”

    Mas tá explicado. Você definiu bem, e deu pra entender que a maioria desses livros foca muito no amorzinho/cenas quentes, e esquece MESMO de desenvolver a narrativa!

    Beijãooo

    [Responder]

    Fanny Ladeira disse:

    Que bom que o nosso post serviu para esclerecer sobre o gênero.

    na verdade voc~e não é a única, as meninas daqui adoram mas eu sou outra que não gosto nenhum pouco do gênero. fiz até um post dentro do especial para ‘ilustrar’ isso. http://www.cafecomblablabla.com.br/2014/10/18/porque-eu-odeio-new-adult/

    Obrigada novamente pela visita.

    Beijos,

    Fanny

    [Responder]

  4. Letícia disse:

    Você resumiu muito bem, porque realmente era classificação de idade e não gênero. Eu mesma, tem livro NA que passo longe, porque tem livro que nada faz sentido e onde autoras muito boas no Wattpad, dão caldo numas, mas isso se procurar muito bem

    [Responder]

Deixe uma resposta