Blá Blá Blá – Adeus Geração Brasil

Por , 31 de outubro de 2014 22:45

Geração_Brasil_Elenco

Chegou ao fim hoje Geração Brasil, a novela que quis revolucionar o horário das 19h, mas que acabou decepcionando uma audiência ávida por uma história divertida, e com uma boa rotatividade de temas. Geração Brasil falhou na sua missão.

Desde o começo Geração Brasil vinha sendo vendida para o público como a nova “Cheias de Charme”, de Filipe Miguez e Izabel de Oliveira os mesmos autores do sucesso de 2012. Com uma premissa bem legal e chamadas provocantes, fez com os entusiastas ficassem malucos. Enfim a estréia foi muito boa, com um capítulo ágil, que fez os telespectadores ficarem grudados na trama, mesmo que a audiência não tenha marcado a presença da antecessora. A história de um brasileiro que se deu bem na vida e criou uma empresa de tecnologia e uma das pioneiras do ramo no mundo parecia promissora.

Após um mês no ar, parece que a história tinha acabado. Uma pena, já que Geração Brasil fica marcada como uma das novelas que tinha tudo para ser, mas que foi apenas uma grande encheção de linguiça. Quer dizer, não foi assim tão ruim, mas se analisarmos como um todo a novela fica com uma nota: 2,5 de 5. Infelizmente Geração Brasil nunca teve um fio condutor que pudesse levar o telespectador a ficar instigado a continuar acompanhando as aventuras da turma de Jonas Marra. Outra coisa ruim, foi que os autores geravam vários segredos que nunca chegavam em lugar nenhum, deixando o telespectador com cara de bobo.

A transmídia (recurso de usar outras mídias) tão bem utilizada em “Cheias de Charme” não fez nem cócegas em Geração Brasil, o concurso que os autores tentaram promover como uma forma de reality show não engrenou e a novela foi sendo empurrada com a barriga. Aliviada com a Copa do Mundo os autores encontraram uma forma de se reinventarem e ao final da competição de futebol a novela voltou com tudo, atirando para todos os lados e tentando fisgar ainda os telespectadores que permaneciam á espera da história.

Do meio para o fim, devo confessar que a história deu um giro positivo: Desmascarou vilões, desfez bonzinhos e revelou novas facetas. Mas já era tarde, e a história não conseguia se salvar. Não só foi de histórias ruins que Geração fez, mas levantou ótimos plots para serem discutidos em salas de aulas de escolas e universidades, como por exemplo a vida que levam os “nenéns” que são jovens que nem querem estudar e nem trabalhar. Ou da transsexualidade dos pais de Brian, bons pontos que foram explorados e que deram uma movimentada na história.

Mas apesar de tudo isso, não podemos esquecer do reaproveitamento de elenco de “Cheias de Charme”, de talentos na geladeira com papéis sem importância e subtramas chatas e enfadonhas. Geração Brasil conseguiu entrar para a seleta lista das novelas mais sem graças do horário das 19h, realmente faz um bom tempo que o horário não tem uma história decente. Será que Alto Astral aguenta segurar o rojão? Acho que ainda está cedo para colocar expectativas no novo folhetim.

Deixe uma resposta