Entre Páginas – Afterworlds

Por , 7 de novembro de 2014 9:00

Antes de começar essa resenha aviso: Não consigo ser muito imparcial com Scott Westerfeld.

Vocês foram avisados.

Afterworlds Scott WesterfeldDarcy Pate coloca a faculdade e tudo mais em Segundo plano para publicar o seu livro YA, Afterworlds. Chegando em Nova York sem apartamento ou amigos, ela se pergunta se fez a decisão certa, até que ela acaba em uma multidão de outros novatos e conhecidos autores que a colocam debaixo das suas assas.
Contado em capítulos alternados, também temos o thriller de suspense sobre Lizzie, uma adolescente que escapa para o Afterworld para sobreviver a um ataque terrorista. Mas Afterworlds é um lugar entre os mortos e enquanto Lizzie fica entre os dois mundos, ela descobre que muitas histórias terríveis e sem solução precisam ser acertadas. E então quando uma nova ameaça aparece, Lizzie aprende que o seu dom pode não ser o necessário para proteger aqueles que ela mais ama e se importa.

 

Ao longo dos anos, fui agregando alguns autores na minha lista de ‘Estão vivos e adoro’, e entre eles está Scott Westerfeld (que tive o prazer de tirar uma foto e ele autografar o meu nome errado na minha edição de Feios, quando ele passou pelo Brasil em 2012), e talvez porque esse momento frente a frente também tenha sido legal e divertido, o meu carinho só aumentou.

Por isso, pode soar um pouco coro de fã, mas Afterworld é provavelmente (Digo provavelmente, porque ainda não li o último da série Leviatã) o melhor livro dele até hoje.

Quando comprei não sabia o que esperar desse livro, mas sabia que a personagem principal escrevia um livro em 30 dias, como acontece com o Nanowrimo. E porque o livro era do Scott eu não precisava saber de mais muita coisa, porque iria ler do mesmo jeito.

E a narrativa alternada entre a vida da nossa protagonista, Darcy, uma jovem de 18 anos, que vê os seus sonhos de ser uma escritora e embarca para Nova York para seguir o seu sonho. E a de Lizzie, a personagem principal do livro de Darcy, que vamos lendo sobre a sua trama junto com a de Darcy.

A medida que Lizzie tem que enfrentar lá no livro a dificuldade de ser a única sobrevivente de um ataque terrorista, Darcy vai conhecendo e aprendendo sobre o mercado literário e o se grupo de amigos que agora envolve escritores famosas e iniciantes como ela.

Como ele está sempre inovando, não é tão fácil identificar um denominador comum dos livros de Scott e eu mesma passei um tempo tentando encontrar uma similaridade com outros livros, e até mesmo quando a Lizzie começa a se envolver com sobrenatural, não foi possível detectar nada nem ligeiramente parecido. E acho que por isso que cada novo livro, principalmente fora de série, do Scott é o uma descoberta nova do que ele vai trazer e de como vai contar.

Isso sendo dito, ambas as narrativas tanto a de Darcy como a de Lizzie tem as suas falhas, e admito que Darcy parecia ser uma personagem muito mais interessante do que se mostrou ao longo da história. Enquanto a história de Lizzie precisava de mais alguns detalhes para se tornar fantástica.

Mas com a perspectiva de uma continuação, admito estar mais interessada em ler sobre a história de Lizzie do que a de Darcy.

Ao longo do livro, a rede de amigos de Darcy vai crescendo e apesar dela morar em Nova York, ter uma carreira que sempre quis, e arrumar até mesmo uma namorada, ela de certa forma caiu na mesmice de sempre ao longo dos capítulos. Não chega a ser uma parte chata, mas tirou um pouco do brilhantismo do começo do livro.
Quando ela chega em Nova York e começa a aprender os segredos do mundo dos escritores de Ya (ele tem um quase um clubinho com reuniões, noites de bebida e conselhos de tramas, nomes e até mesmo títulos), tudo é novo e a sua narrativa é interessante e envolvente, porque é um mundo novo para nós também. Mas a medida que ela vai se acostumando com essa nova vida, os seus questionamentos de que não se sente ‘tão por dentro do mundo YA’, começa a soar um pouco fora de sincronia já que o seu redor e as suas atitudes não condiz com isso.

Scott tem muitos amigos importantes e tenho certeza que ele não utilizou nenhum especifico para criar um personagem, mas é impossível não ligar Standerson com John Green (ambos são muito conhecidos e tem um canal do Youtube de sucesso) e Kiralee com Maureen Johnson (quem acompanha a Maureen no Twiter sabe que ela tem um jeito muito peculiar), mas como só conhecemos uma parte desse mundo, pode ser que não seja nada disso, ou que seja ainda pior.
Para quem quer começar a ler Scott, ainda recomendo começar com Tão Ontem, porque ainda é o seu livro mais bacana, mas não posso negar que é necessário muito ‘juice’ para escrever um livro como esse, e isso Scott já provou que tem.

*nível de inglês: Intermediário/Avançado*

 

Ficha Técnica:

Título: AfterWorlds

Autor: Scott Westerfeld

Editora:Simon Pulse

Páginas:608

Avaliação: 4/5 estrelas

Deixe uma resposta