Entre Páginas – O Garoto da Casa ao Lado

Por , 9 de fevereiro de 2015 9:00
É clichê, é engraçado, é estranho, é legal e é MEG!
 
O+Garoto+da+Casa+ao+LadoMell Fuller é uma jornalista que trabalha para um jornal de Nova York, mas ao invés dela estar correndo atrás das notícias, checando fontes, ela foi designada a ser colunista da página 10 do jornal, onde são publicadas as fofocas sobre as celebridades. Sua vida vira de ponta cabeça, quando sua vizinha de porta é atacada por uma pessoa na cabeça e acaba ficando em coma. Agora Mell tem que cuidar dos bichos de estimação da senhora e está por um triz de perder o emprego. Então ela entra em contato com o único parente vivo da senhora, mas o cara que não está nem ai para a mulher envia um amigo em seu lugar, claro que daí pode surgir um amor, mas as coisas são muito mais complicadas que apenas as barreiras da identidade falsa.

 
Leu todos aqueles adjetivos que comecei a resenha? Então, deixa eu explicar para vocês antes que alguém me bata! Ler Meg é sempre um prazer, e está ai uma autora que não se limita em nenhuma área, Meg é uma fábrica de livros, histórias e narrativas. Extremamente inteligente e capaz de fazer qualquer coisa, nesse livro Meg resolveu escrever uma história toda em forma de e-mail e não é que ficou bom!?
 
Então e porque você me disse que é clichê? É ai que mora o perigo, a história é mesmo um pouco clichê e tenho certeza que várias pessoas já leram algo parecido. Mas tudo se torna tão único porque Meg Cabot simplesmente sabe conduzir bem uma história.
 
Se você acha que vai conseguir ler sobre os personagens como está acostumado, está muito enganado. Como a história é escrita em forma de e-mail, fica difícil de sabermos as características físicas dos personagens, são poucas as características que “aparecem”. Porque o livro é feito sobre todas as “fofocas” em uma redação de jornal e sobre a vida de seus funcionários.
 
No início é meio difícil de engrenar na leitura (não pela narração da tia Meg, que fique bem claro) por causa dos e-mails. É tudo muito novo, e-mails e mais e-mails, personagens e mais personagens. Mas dá para se acostumar em poucas páginas.
 
O livro é inovador, engraçado e super descontraído. Só peço a atenção a quem se destina o livro, pelo título pensamos que é um livro bobinho né? Mas não, esse é um dos títulos adultos da Meg, então se você tem menos de hum… 13 anos, não leia se não quiser ficar com suas bochechas rosadas.
 
Este é o primeiro da série “Garotos” da Meg. Não é necessário ler na ordem, pois cada um tem um arco de histórias próprias, mas o mais bacana é que os personagens se cruzam nos outros livros que são: “Garoto Encontra Garota” e “Todo Garoto Tem”.

Deixe uma resposta