O Noveleiro – Alto Astral [FINAL]

Por , 9 de maio de 2015 18:00

Alto Astral Logo

Chegou ao fim nessa sexta-feira (08) uma das melhores novelas das 19h dos últimos tempos. “Alto Astral” conseguiu fazer o que “Geração Brasil” com toda a sua equipe, elenco e direção digno de novela das 21h não conseguiu. Acho que menos é sempre mais.

Assim que foi apresentada ao público “Alto Astral” já era vista com bons olhos, desde o começo o folhetim do estreante (na globo) era visto com bons olhos. Daniel Ortiz é ex-colaborador de Silvio de Abreu nas novelas “Passione” e “Guerra dos Sexos”, e autor principal da novela mexicana pelo Televisa “Laços de Ódio” e a árabe “Between Love and Past” (Entre o Amor e o Passado em tradução livre) a primeira novela produzida nos Emirados Árabes Unidos exibida pela rede MBC em 22 países.

A trama simples e cheia de núcleos que o público brasileiro gosta fez a audiência que estava bem fraca alavancar, e terminou como um grande sucesso. A história de Laura e Caíque fez o público se apaixonar novamente por personagens, rir com o núcleo cômico da Família Pereira de filhos com nomes diretos do Mapa-Mundi : Afeganistão, Bélgica, Israel e Itália) o autor provou que sabe o que está fazendo e também conseguiu trazer o lado mais dramático da família.

Tantos personagens marcantes como a louca e atrapalhada Samantha de Claudia Raia e o Pepito de Conrado Caputo. Os dois ótimos em seus personagens arrancaram gargalhadas dos telespectadores que estavam assistindo uma novela apenas para se divertir.

O lado sobrenatural também foi abordado na trama sem apelação para religião alguma, esse foi mais um acerto da história, que estava recheada de fantasmas tanto do bem quanto do mal e que estraçalharam a vida dos personagens aqui na terra.

Com muitos atores sensacionais a novela foi mesmo de Nathália Dill, que provou mais uma vez que sabe dar um show de atuação e não é a toa que a moça se tornou ao longo dos últimos anos uma das atrizes mais queridas pela alta cúpula global, e soma 5 papéis de protagonista em 4 anos.

O grande trunfo de “Alto Astral” foi realmente a simplicidade, o jeito leve como o autor conduziu sua trama e que fez muita gente parar o que tinha para fazer e acompanhar essas histórias tão diferentes, mas ao mesmo tempo tão iguais. O final não foi cheio de revelações, mas teve muitos finais felizes, afinal essa é uma coisa que o público anseia para os seus persongens favoritos.

Com saldo mais que positivo, recorde de audiência para o horário (a novela quase bateu a das 21h em vários dias, a principal ganhando apenas por 1 ou 2 pontos de diferença) e tramas gostosas e ágeis. Assim foi “Alto Astral” que com certeza deixa saudades, mas que escancara as portas da audiência para “I Love Paraisópolis” que promete continuar seguindo o caminho da predecessora.

Deixe uma resposta