Entre Páginas – Os Dois Mundos de Astrid Jones

Por , 14 de maio de 2015 12:28

Lançamento do livro em junho

Quase podíamos falar ter feito essa semana como a Semana da Diversidade, porque a nossa resenha de hoje é de um livro que também representa uma questão pouco abordada, mas igualmente (ou talvez) até mais importante do que muitas por aí.

 

zFInAHUAstrid Jones quer desesperadamente confiar em alguém, mas a agressividade de sua mãe e falta de interesse de seu pai demostram a ela que eles são as últimas pessoas em que ela pode confiar. Em vez disso, Astrid passa horas deitada na mesa de piquenique, no quintal, assistindo os aviões que voam no céu. Ela não conhece os passageiros que estão dentro dele, mas eles são as únicas pessoas que não vão julgá-la quando ela conta-lhes seus segredos intímos – como o que significa ela estar se apaixonando por uma garota.

Quando seu relacionamento secreto torna-se mais intenso e seus amigos começam a exigir respostas, Astrid não tem para onde correr. Ela não pode compartilhar a verdade com ninguém, exceto as pessoas nos aviões, e eles nem sequer sabem que ela existe. Mas mal sabe Astrid que até a mais ínfima conexão afetará a vida desses estranhos – e a sua também – para melhor.

 

Adoro quando me identifico em certo nível com a protagonista. No livro, Astrid gosta de olhar para o céu e imaginar as pessoas lá em cima, e eu gosto de fazer exatamente o contrário. Estar em um avião e olhar para baixo e só ver mar não me deixa com medo, mas entediada.

Gosto de olhar e ver cidades inteiras de um tamanho tão pequeno, mas mesmo assim visualizar as ruas, suas luzes e os seus habitantes. Meios de transporte me fazem pensar, mas nada me toca como estar em um avião.

E aí fica fácil me identificar com ela. Assim como enquanto ia crescendo, e principalmente na adolescência, ler livros que tinham personagens que passavam ou reagiam como eu precisava ver.

YA é um gênero muitas vezes subjugado pela sua importância. Ele não é só feito para um público especifico, mas ele deve trazer questões e respostas para o seu público-alvo, no caso adolescente que podem estar perdidos em um mundo que não os entende.

A necessidade de livros diversificados no mercado é exatamente para atender a todas essas pessoas que precisam ler sobre as suas vidas também. Não podemos ter um mundo onde todos os livros sejam iguais. E isso deve se estender não só para a trama, mas para os seus protagonistas e personagens secundários também.

Astrid Jones ‘está em movimento’ como ela mesma se define. Ela não consegue se encaixar em um rótulo, não tem o apoio e a abertura com a família nem com os amigos. Ela se sente perdida porque acredita que todos têm as respostas claras e como ela não tem certeza de nada, se encontra perdida em um mundo que ela sabe que vai julgá-la.

Esse é o primeiro livro que leio de A. S. King, mas agora não surpreendo mais por John Green a indicar como uma das melhores da atualidade. Sua narrativa é sensível, bonita e com a dosagem necessária.

Não há clichê na sua história, e até mesmo com uma personagem dividida, ela consegue fazer com que você se importe com ela.

Assim como com Dois Garotos se Beijando, esse livro é igualmente importante pelo seu tema, mas Astrid Jones, até por ter mais tempo no papel e por podermos conhecê-la por completo, se torna mais real.

Quase dá para sentir que há milhares de meninas e meninos (até vários adultos), que precisam ler uma história assim, para talvez começar a entender o ser humano.

Astrid também tem algumas discussões bacanas sobre filosofia e fazer referências a elas para os estranhos para os quais ela manda seu amor é uma analogia bacana para a sua realidade e sua relação com as pessoas mais próximas dela.

No final, é mais fácil entender e amar quem está longe, mas precisamos aprender a amar (e entender) as mais próximas.

Astrid Jones tem dois mundos que se colidem no percurso do livro, mas é a colisão necessária para que ela também possa receber amor de estranhos, porque às vezes, é como algumas pessoas que irão ler esse livro irão sentir: saber que  alguém no mundo inteiro nos entende.

 

Ficha técnica:

Livro: Os Dois Mundos de Astrid Jones

Autora: A.S. King

Editora: Editora Gutenberg

Páginas: 285

Classificação: 5/5 estrelas

Deixe uma resposta