Pipoca Salgada – Vamos dar uma chance para um filme ‘ruim’ hoje?

Por , 22 de maio de 2015 19:08

Sexta-feira , você procura um filme no Netflix, Itunes e etc e entre as mais diversas opções, passa direto por vários filmes que ‘alguém falou que é ruim’, ‘que alguém que você considera não gostou’, e por causa disso, você demora anos para ver um filme, que talvez para você não seja tão ruim assim. Ou até bem longe disso.

poster-interestelar-1

E em alguns casos, você vai amar o filme mesmo todos tendo o odiado, e quanto maior a exposição maior a torcida contra.

Um desses casos mais recentes é o blockbuster, Interestelar dirigido por Christopher Nolan, conhecido pela direção da nova série Batman e por A Origem.

Se A Origem foi muito bem recebido e se tornou quase um clássico moderno, Interestelar que foi envolto por mistérios até o seu lançamento e teve uma recepção morna. Alguns amaram, mas muitos odiaram, e com isso a reputação do filme foi lá embaixo.

Eu então resolvi me afastar e só fui ver o filme agora esse ano, quase que no meio de março. E desde dessa data, se tornou o filme que mais vi nos últimos tempos.

A história é confusa, e até um pouco sem pé nem cabeça, em alguns vários momentos?

Sim! Mas há muito mais do que uma vontade em contar uma história linear e concisa, pelo menos foi essa a minha impressão.

Acompanhamos a Terra em um mundo meio pós-apocalíptico onde o recurso mais escasso é a comida, mas mesmo assim a vida de Cooper (Matthew McConaughey) e a sua família apesar dessa realidade triste não é diferente de fazendeiros da década de 50/60.

Mas Cooper não nasceu para ser fazendeiro e mesmo tendo se dedicado aos últimos anos para garantir que não vai faltar comida na Terra, o céu ainda o atraí e o chama.

A relação mais próxima de Cooper é a sua filha Murhpy e vice-versa, o que torna os eventos ainda mais dramáticos, por causa dessa relação que se fragiliza pela decisão de Cooper de ir para as estrelas.

Sem entregar muito da história, ele basicamente se junta com um grupo de outros astronautas tenta encontrar um novo futuro para a humanidade longe da Terra. Entre uma missão muito maior do que a própria vida deles, as quase 3 horas de filme vai se dividindo entre momentos científicos com efeitos especiais incríveis e questões psicológicas.

Em um momento eles estão em um mundo distante lutando contra ondas gigantescas e 10 minutos depois estão sentados na nave com a Dra. Mann (interpretada pela Anne Hathaway) discursando sobre o poder do amor.

Essa inconsistência do filme, admito, pode deixar muitas pessoas bravas, confusas e desinteressadas, mas é exatamente essa inconstância, ou melhor, essa necessidade de levar em conta fatores humanos e não só efeitos especiai,s que torna esse filme tão atraente para mim.

Estamos em uma galáxia lutando pela sobrevivência e aí voltamos para a Terra e eles também estão lutando pela sobrevivência e não importa o quão distante estão, apesar da diferença da suas dores, elas são as mesmas, e mais uma vez, vai ser relação entre Cooper e a sua filha que vai ditar o tom.

Um dos maiores defeitos do filme é o som, muito baixo para as conversas e muito alto para os efeitos. Eu achei que a tinha cópia tinha vindo com defeito, até ler uma entrevista e descobrir que era exatamente o que diretor queria, mas ainda me deixa brava com isso.

Mas do resto, Interestelar, veio para me provar que eu devo levar em consideração a opinião dos outros, mas às vezes é bom conferir só para ter certeza. Afinal, somos pessoas de gostos diferentes. Muito diferentes.

Por isso, hoje quando estiver escolhendo o seu filme da noite/final de semana, pare e decida se arriscar um pouco.

Não vai ser sempre, mas de vez em quando, vai compensar.

 

Um comentário para “Pipoca Salgada – Vamos dar uma chance para um filme ‘ruim’ hoje?”

  1. Eduarda disse:

    Veja só a diferença. Eu assisti Interestellar com todo mundo me dizendo “é incrível!”, “é perfeito!”. E é claro que não gostei tanto assim. Já você viu com baixas expectativas. São experiências bem diferentes…
    Beijo!
    Eduarda, do Maquiada na Livraria

    [Responder]

Deixe uma resposta