Chá das Cinco – Entre Páginas: Hamlet

Por , 11 de setembro de 2015 17:00

Header post

Aviso aos navegantes:

William Shakespeare escreveu peças para serem encenadas, por isso é muito diferente você somente ler o material. No final de cada post, tentarei colocar links para peças disponibilizadas pelos realizadores no Youtube, para que essa vivência seja presenciada

 

Esse post faz parte do Desafio Shakespeare!
Para conhecer o desafio completo, clique AQUI!

A Experiência

Este foi a primeira peça de todas até agora, que eu já havia lido antes. Como disse anteriormente, dentro do desafio, você pode pular as que já conheci, mas eu optei por ler todas novamente (até porque são entre 4 e 5), para ter a experiência completa.

Mesmo as repetidas são bacana de rever, principalmente se  é ‘somente’ Hamlet.

Eu tenho uma consciência muito limpa quando não me sinto tão conectada com uma obra considerada incrível de um escritor. Cada um tem a sua opinião e não é porque todos consideram a melhor que eu também vou achar isso.

Com Hamlet eu cai nesse mesmo ponto. Ao ler pela segunda vez (assim como a primeira), considerei a peça de uma grande maestria e muito bem contada, porém não me senti tão envolvida quanto em outras peças.

Por isso, assim como falei uns dias atrás, nada de se achar incompetente por  não ter gostado de uma peça que seja um ícone, porque cada um é diferente do outro, ainda bem!

A Resenha

HamletO Rei da Dinamarca morreu, o seu irmão tomou o seu trono e casou com a viúva de seu irmão. Todos parecem estar se dando bem, ou tentando não demonstrar essa mudança, mas para o jovem Hamlet, ter que superar a morte do pai e  casamento do tio com a mãe, nada está bem.

Ao longo do história e ajudado por elementos de outro mundo e sem explicação, Hamlet vai perdendo a cabeça e toda a peça se envolve nesse ponto.

Hamlet é uma das grandes peças da história.

Ponto.

A narrativa escrita por Shakespeare deixou para sempre na história a vida do rei da Dinamarca que após a morte do pai ( e a sua aparição), vai perdendo a cabeça aos poucos, causando mais mortes indesejadas e assim tornando a sua loucura mais forte.

São diversos fatores que criam o personagem Hamlet, nobreza, sedução, vingança e a tão famosa loucura, se alinham para criar um personagem enigmático e tão cheio de nuances que é preciso acompanhar de perto cada ato, cada cena. Muitos hoje defendem que talvez Hamlet não estivesse louco de verdade, mas se comportasse como tal para assustar os seus inimigos.

Seja como for, o que vemos no papel é um homem se deteriorando ao mesmo tempo, que momentos de lucidez o levam a tentar ainda ser heroico.

Já na sua primeira cena, podemos perceber o quanto a morte do pai o afetou. Ainda não há nenhum elemento para complicar a sua cabeça, mas já é possível perceber que o Hamlet não está bem.

É nessa peça que o o tão famoso, ‘Ser ou não ser eis a questão?’ é dito pelo próprio Hamlet, quando ele contempla o suicídio.

No final, mesmo que você não goste tanto da peça como eu, não dá para negar porque ela é considerada uma das maiores da história, porque é tão linkada com Shakespeare, e porque todos os atores fazem fila para poderem interpretar o príncipe da Dinamarca que fica louco, porque ele é uns dos maiores personagens já escritos.

E  não é por isso que as pessoas viram atores?

Ficha Técnica:

Nota da Fanny: 3 estrelas

Título original: Hamlet

Ano da Publicação: 1603

Próxima Peça: Henrique IV, parte 1

A Peça

Deixe uma resposta