Entre Páginas – Maze Runner: Correr ou Morrer

Por , 14 de setembro de 2015 12:00

Então, eu resolvei ler Maze Runner.

imagem Ao acordar dentro de um escuro elevador em movimento, a única coisa que Thomas consegue lembrar é de seu nome. Sua memória está completamente apagada. Mas ele não está sozinho.

Quando a caixa metálica chega a seu destino e as portas se abrem, Thomas se vê rodeado por garotos que o acolhem e o apresentam à Clareira, um espaço aberto cercado por muros gigantescos. Assim como Thomas, nenhum deles sabe como foi parar ali, nem por quê. Sabem apenas que todas as manhãs as portas de pedra do Labirinto que os cerca se abrem, e, à noite, se fecham. E que a cada trinta dias um novo garoto é entregue pelo elevador. Porém, um fato altera de forma radical a rotina do lugar – chega uma garota, a primeira enviada à Clareira. E mais surpreendente ainda é a mensagem que ela traz consigo.

Thomas será mais importante do que imagina, mas para isso terá de descobrir os sombrios segredos guardados em sua mente e correr, correr muito.

Estava me perguntando fazia um tempo se deveria ou não ler Maze Runner, desde o começo do ano estava evitando diversos tipos de livros e distopias entraram nessa lista, mas Maze Runner estava ali cutucando.

Resenha Maze RunnerNão tinha visto nem o primeiro filme, mas o pôster ao lado, foi o que atiçou de vez a minha curiosidade. Pronto, eu iria ler o livro.

A última distopia boa que li foi, Divergente, e apesar de alguns percalços, eu fiquei satisfeita com o produto final, apesar de não ter gostado do epilogo, o resto (inclusive o final), pesou mais pelo bem do que para o mal.

Maze Runner começa de forma diferente, assim como o protagonista Thomas, não sabemos o que está acontecendo, e vamos descobrindo junto com ele as regras do jogo e também o quanto ele é efetivamente perigoso.

Admito que as primeira 100 páginas achei um pouco devagar, apesar de nunca faltar ação, mas o geral parecia de uma engrenagem a mais, que dá página 150 para frente entrou no jogo. Eu estava tão ansiosa em saber o que aconteceria que faltavam 40 páginas e abri o livro para ler no meio de uma loja, esperando os meus pais, sem paciência para esperar chegar em casa.

Assim que fechei o primeiro, já queria emendar com o segundo, e foi o que fiz com uma diferença de dois dias.

Não sou o público indicado para esses livros, mas o fato dele conseguir atingir uma faixa etária tão grande é muito bom. Tentei e não conseguiu ter a mesma proximidade com Percy Jackson, por exemplo, apesar de saber que ele agrada à muitos, mas percebi que estava precisando de uma saga assim já finalizada que pudesse me entreter e me motivar a ler todos ao mesmo tempo.

Para quem só viu o filme e gostou, o livro é leitura obrigatória. A história, apesar de permanecer basicamente a mesma, tem várias mudanças no livro, inclusive a forma como a Tessa chega na clareira e a relação de Thomas com os outros meninos.

Falar que deveria ter lido antes é bobagem, porque poderia não ter gostado tanto quanto agora. No final, cada livro parece que sabe o tempo certo de nos chamar a atenção.

Ficha Técnica:

Livro: Maze Runner: Correr ou Morrer

Autor: James Dashner

Editora: V&R

Páginas: 384 páginas

Nota: 3,5/5 estrelas

Deixe uma resposta