Entre Páginas – Madame Bovary

Por , 28 de setembro de 2015 12:05

BBW-banner_6_WEB

Madame Bovary Banned BooksQuando Emma Rouault casa com Charles Bovary ela imagina que passará para uma vida cheia de luxo e paixão que ela lê sobre em seus romances.

Mas Charles é um médico do interior normal, e a vida provinciana é muito diferente da animação romântica que ela esperava.

Em sua busca de realizar o seu sonho, ela decide ter um amante e começa em um espiral de devastação.

 

 

 

Banned Book!

Madame Bovary foi banido de diversos países inclusive da França. Houve até um julgamento, onde o autor foi acusado de sexualidade excessiva e por trabalhar contra as ideias morais em 1857.

Opinião do Café: Apesar de sim acontecer adultério, o livro não exagera na sexualidade e trata isso com sutileza.

Em alguns momentos, acho incrível como a falta de pegar um sinopse pode fazer na vida de uma pessoa. Madame Bovary já apareceu diversas vezes na minha lista de leitura, mas sempre ficava para trás. Até que me deparei com uma sinopse da adaptação de 2014 do livro, e me surpreendi com fato da Madame Bovary ter uma vida tão diferente do que eu esperava.

Com isso, chamei a Sabrina para ler comigo, mas diversos fatores, fizeram com que eu furasse o nosso combinado e terminasse a leitura antes (sorry, Sabrina!).

Não foi só o tempo livre à mais que tinha nessa época. O fato do livro ser muito bom, pesou bastante.

Charles é um homem normal, que desposa Emma após a morte da sua primeira esposa, sem saber exatamente no que está se metendo. Emma nos aparece no começo,como uma jovem doce e simples que está feliz em arrumar um marido médico.

Mas só aos poucos o leitor consegue realmente perceber o que se passa dentro da cabeça de Emma, enquanto o seu marido não tem a menor ideia.

Flaubert assim como Hardy, tem uma narrativa bem interessante e desenhada que mantém o leitor esperando que algo aconteça na próxima páginas e com isso as 329 páginas passam sem você perceber.

Além disso, Flaubert parece um escritor atual falando do passado, com pensamentos e ideias que não imagina encontrar em um livro escrito em 1850.

A grande estrela do livro Emma, não chega a ser uma personagem má. Não há vilões nesse livro, nem mesmo ela, mas as suas atitudes acabam a tornando um pouco apática.

Gustave cria uma atmosfera onde não estamos nem do lado de Charles, nem do lado de Emma, somos as tias fofoqueiras que ficam na janela vendo a vida do casal e especulando sobre.

Porém, gostei como a personagem em um momento fez a seguinte declaração.

“(…) Mas uma mulher é continuamente impedida de tudo. Ao mesmo tempo inerte e flexível, tem contra si a debilidade da carne juntamente com a força da lei. A sua vontade, como a aba do chapéu preso por um cordão, flutua a todos os ventos, há sempre algum desejo que a arrasta e alguma conveniência que a detém.”

Impressionante como estamos em 2015 e todas essas atitudes ainda são esperadas das mulheres porque senão elas não são respeitáveis. Há ainda o que o ‘homem’ e o que a ‘mulher’ pode fazer.

Um livro importante não só pelo banned book, mas porque é muito bom!

Ficha Técnica:

Livro: Madame Bovary

Autor: Gustave Flaubert

Editora: Oxford Press

Páginas: 329 Páginas

Nota: 3,5/5 estrelas

Um comentário para “Entre Páginas – Madame Bovary”

  1. Enzotmoreno disse:

    O que eu gostei do livro foi a arte de dizer tudo sem descrever um ato sexual só, como na cena clássica em que dois personagens passeiam nas ruas de uma cidade dentro de uma espécie de carruagem, e um deles faz com que o cocheiro não pare de dirigir enquanto eles…

    E também nas ultimas partes do livro, quando ela sai pedindo ajuda a várias pessoas do vilarejo.

    Fiquei impressionado com o tema central da história, mas hoje em dia, depois de ter lido outros clássicos do século XIX com o mesmo tema, não achei tão inédito assim. Mas, de qualquer forma, é um tema que prende muito o leitor.

    O detalhe é que a pessoa que trai não é retratada como vilã (em nenhuma das histórias clássicas que li).

    [Responder]

Deixe uma resposta