Entre Páginas – Orlando: Uma biografia #projetopravida

Por , 30 de dezembro de 2015 12:00

No começo de outubro compartilhamos com vocês aqui a nossa proposta de participar da leitura coletiva de Orlando com o blog Livro & Café e hoje voltamos para contar como Virginia Woolf nos conquistou com esta obra rica e impressionante.

Com essa leitura, riscamos mais um livro da lista de 42 anos do nosso #projetopravida! 😀

 

Orlando - Virginia Woolf

 

Orlando, um arremedo de biografia, descreve a vida do personagem homônimo, descendente de uma ancestral família aristocrática inglesa, que, no começo da narrativa, vive no século XVI, é homem e tem 16 anos. Acompanhamos sua vida por cerca de quatro séculos, na maior parte dos quais se mantém com a idade de 30 anos. No meio da narrativa, enviado pelo rei Charles II, como embaixador da Inglaterra, a Constantinopla, ele passa por uma transformação radical.

Além de homenagear Vita Sackville-West, a aristocrata que serviu de modelo para a figura de Orlando, e de jogar com as convenções da biografia tradicional, Virginia explora aqui alguns dos seus temas preferidos: a incongruência entre, de um lado, o tempo do relógio e do calendário e, de outro, o tempo vivido, subjetivo; o caráter fragmentado, múltiplo e incerto da subjetividade; e, sobretudo, a instabilidade e a artificialidade da identidade sexual.

 

Sabrina

“A Memória é uma costureira e, não bastasse isso, das cheias de capricho. A Memória conduz sua agulha para fora e para dentro, para cima e para baixo, para cá e para lá. Não sabemos o que quem em seguida e nem o que virá depois”.

Tem alguns autores com os quais eu tenho um certo receio inicial. Talvez seja por achar que sua narrativa seja muito intrincada, ou sua linguagem mais complicada… A bem da verdade é que essas são apenas conjunturas, afinal, a única forma de saber se eu realmente me darei “bem ou mal” com eles é lendo-os, certo?

A Virginia Woolf era uma dessas autoras para mim. Acho que parte disso se deve ao fato de eu ter lido diversos comentários de pessoas que mergulharam em suas páginas e acabaram saindo escaldadas, seja por não ter empatia com o texto ou por não compreender a sua narrativa. Essa era a minha relação com a autora até… a Fancine, do blog Livro & Café, propor um desafio coletivo para lermos Orlando.

Assim que o post da Fran foi ao ar, a Fanny me marcou e fez a nossa “inscrição no projeto”. Somado a isso, a editora na qual eu trabalho tinha acabado de lançar uma edição lindíssima desse livro e, bem… O resto vocês já sabem.

E qual foi minha surpresa quando, ao iniciar a leitura, me vi grudada às suas páginas, amando cada sentença, cada reflexão, cada ironia?! Não sei o que eu esperava de Orlando, mas fui gratamente surpreendida por uma obra afiada e cheia de questionamentos. A narrativa é deliciosa e o enredo é no mínimo bastante intrigante!

O narrador é curioso por si só: um biógrafo contratado para narrar os episódios da vida de Orlando, um aristocrata inglês e herdeiro de uma família milenar. Sua maior paixão, desde cedo, é a poesia – em especial uma chamada “O Carvalho”, na qual irá trabalhar durante toda a sua vida. Aliás, seu lado sensível é bastante aflorado (e por vezes até exagerado), a ponto de quase morrer de desgosto ao ser abandonado pela mulher amada.

Isso se torna ainda mais evidente após a principal reviravolta da história (que, apesar de ser muito conhecida, não citarei aqui para não estragar a surpresa de quem for se jogar na leitura no escuro). O fato é que, através de hipérboles e situações por vezes absurdas, Virginia consegue levantar questionamentos profundos sobre o papel dos sexos na sociedade, nas mudanças que as tradições sofreram através dos anos e na análise do Tempo em si – sua subjetividade e efemeridade.

No final, a leitura me deixou em parte enfeitiçada e em parte reflexiva e com uma certeza: a de que não demorarei muito para conferir outra obra de Virginia Woolf.

 

Fanny

Até o momento, a minha relação com Virginia Woolf era tão mínima, que o mais perto que já havia chegado dela foi assistindo ao filme As Horas, que conta com um emaranhado de histórias baseado em seus livros e com a presença da própria Virginia (representada por Nicole Kidman) na trama.

Então, quando iniciei a leitura de Orlando (com vários dias de atraso da proposta original), eu sentei na cama para ler apenas algumas páginas e me adiantar um pouquinho no cronograma e foi necessário menos de duas páginas para me envolver não pelo personagem, mas com a forma que Virginia monta as suas palavras.

Eu estava sendo enfeitiçada aos poucos e a resolução de ‘ler algumas páginas’ foi em uma sentada até a página 80 e só deixei o livro de lado porque tinha que dormir para acordar cedo no dia seguinte.

Woolf constrói uma narrativa extremamente diferente e recheada de elementos mutáveis, sem tentar seguir as leis da física – mas é essa mesma liberdade de horizontes e paredes que transformam o livro em uma a obra-prima. Ao nos entregar um personagem que viveu nas épocas das rainhas Elizabeth I à Victoria e que de homem virou mulher, ela estrutura as questões levantadas no livro de uma forma surpreendente.

Para mim não foi necessário, mas talvez alguns de vocês terão que se lembrar de que se trata de uma obra de ficção, a fim de conseguirem relevar algumas dessas transformações. Porém, Virginia insere essas mudanças de uma forma tão precisa e bonita, que ao invés de você se assustar ao ler a passagem, bate um sentimento de ‘é claro que isso aconteceria’ e aquilo se torna tão natural como se ela tivesse falado que o personagem estava tomando chá.

Admito que o livro me fez gostar mais de Virginia do que de Orlando, o sujeito da narrativa, mas que mesmo assim esta se revelou uma história imperdível. Também admito que bateu uma “vontadinha” de fazer algumas loucuras com as obras dela até o final do ano…

Mas fica aqui uma interrogação em aberto e, se der certo, claro que dividirei com vocês aqui.

 

Ficha Técnica:

Livro: Orlando: Uma Biografia (Orlando: A Biography)

Autor: Virginia Woolf

Editora: Autêntica

Páginas: 284 páginas

Nota: Sabrina: 4/5 estrelas
Fanny: 4/5 estrelas

3 comentários para “Entre Páginas – Orlando: Uma biografia #projetopravida”

  1. Rita Gonçalves disse:

    Valeu pelos comentários porque amo biografias, pretendo ler; recentemente li “O valor do riso e outros ensaios” de Virginia Woolf” – adorei. Iniciarei “Virginia Woolf: a medida da vida”, de Herbert Marder.

    [Responder]

  2. Ronaldo David disse:

    Tenho o livro, uma obra-prima – e uma notável e brilhante tradução do amigo e conterrâneo de Rio Fiorita/Siderópolis-SC, TOMAZ TADEU DA SILVA.

    [Responder]

    Fanny Ladeira disse:

    A tradução está magnifica! O livro flui bem e a leitura foi muito proveitosa.

    Além da edição que está bem feita.

    Obrigada pela visita e diga ao seu amigo que o trabalho dele foi excepcional.

    Fanny

    [Responder]

Deixe uma resposta