#CafénoOscar – Pipoca Salgada: Brooklyn

Por , 15 de fevereiro de 2016 22:00

Header - Oscar 2016

#CafénoOscar: Brooklyn concorre em três categorias: Melhor Filme, Melhor Atriz (Saoirse Ronan) e Melhor Roteiro Adaptado

11201971_ori

A jovem irlandesa Ellis Lacey (Saoirse Ronan) se muda de sua terra natal e vai morar em Brooklyn para tentar realizar seus sonhos. No início de sua jornada nos Estados Unidos, ela sente falta de sua casa, mas ela vai tentando se ajustar aos poucos até que conhece e se apaixona por Tony (Emory Cohen), um bombeiro italiano. Logo, ela se encontra dividida entre dois países, entre o amor e o dever.

Will

O que classifica um filme como BOM ou MUITO BOM? A atmosfera que ele te leva, e no fim vale a pena fazer aquela pergunta… Será que eu gastei bem as minhas duas horas sentado assistindo esse filme?

Brooklyn-RDP

Após terminar de assistir “Brooklyn” automaticamente me veio na cabeça a afirmação “Esse filme é uma fábula”. O filme é sobre buscar seus sonhos não importa onde estão, se aqui nesse território que forma o nosso país, ou em algum lugar cruzando o oceano. No fim, é sempre você quem vai fazer a sua vida andar seguindo as suas decisões.

Com um roteiro gostoso e leve, ágil em cenas que merecem rapidez e um pouco mais lento no decorrer das tramas, essa é uma película que se deve ser apreciada como se tivesse tomando uma boa taça de vinho em uma noite que você está cansado e precisa de uma calmaria a sua volta. Tem personagens bem construídas, e uma trama central que permeia as outras e que mesmo assim estão sempre ligadas com a personagem principal.

Para mim “Brooklyn” tem uma história batida, por mais que eu tenha gostado do filme e após ter ido bem fundo xingando as personagens, eu senti que o filme por mais bonito, delicado e sensível que seja, ele ainda não é um filme para se estar no Oscar. Não me entendem mal, eu gostei da atriz principal, ela trouxe um tom inocente que a personagem Ellis pedia, assim como seu parceiro de cena Emory Cohen que fez de Tony uma personagem com o tom certo.

Com ótimos cortes de cena, fotografia agradável e um roteiro gostoso de se apreciar. O filme se torna uma grata surpresa no meio de tantos filmes que retratam uma época já passada, e que te faz mergulhar de cabeça na história que estão lhe contando.

No fim “Brooklyn” acaba sendo aquela história que poderia ter acontecido com cada um de nós, não importando o que nós fizemos ou o que deixamos de fazer, o peso maior sempre vai ser o das nossas escolhas que vão definir quem somos nós. Um filme bonito e agradável de se ver, mas facilmente esquecível.

Fanny

Esse foi o último filme entre os indicados para o Oscar que eu vi, e depois de ter alguns tristes surpresas pelo caminho com filmes que não gostei tanto, Brooklyn me deixou nas nuvens pela sua qualidade e pela sua história.

2015, BROOKLYN

Logo no começo do filme você se importa com o destino e com o que realmente Elis vai tirar dessa jornada. Por mais que você nunca tenha feito isso,é bem fácil imaginar como seria abandonar a sua família e toda a vida que você conhece e se mudar para um país que você nunca pisou e que não conhece ninguém.

É bem fácil se ver no lugar dela ao ficar assustado com as novidades, a falta de conforto de alguém próximo, e claro, toda a estranheza ao seu redor.

Isso, alinhado com uma câmera e um roteiro bem próximo dos personagens, torna o filme mais pessoal. Eles não querem falar sobre a Brooklyn da década de 50, nem da Irlanda. O interesse e o foco é na história de Ellis, e o redor serve para juntar o que vai se tornar a nova ida dela.

O romance entre ela e Tony é fofo e doce ao extremo, lhe dando uma sensação que só os primeiros filmes lançados do Nicholas Sparks conseguia. Aquela noção de que você está vendo uma linda história de amor, mas com os dos pés na realidade.

Quando o inevitável acontece, você também começa junto a Ellis a comprar e tentar definir onde está o seu coração e onde você realmente pertence.

Filme não necessariamente serve para isso,mas no final entrega uma ‘lição’ saímos exatamente de um lugar porque sabemos no fundo que não pertencemos a ele.

Ficha Técnica:

Filme: Brooklyn

Ano de Lançamento: 2015

Diretor: John Crowley

Elenco: Saoisrse Ronan, Emory Cohen e Domhnall Gleeson

Nota do Will: 8

Nota da Fanny: 8,5/10

Crédito da Sinopse: Adoro Cinema

Deixe uma resposta