Café No Oscar – Fique de olho….vem aí uma nova geração

Por , 25 de fevereiro de 2016 11:50

Uma nova geração desponta com um trabalho diversificado entre Blockbuster, filmes indies e indicações ao Oscar: e eles podem representar parte do futuro do cinema.

t-oscar-nominees-2016

Quando a GRANDE Meryl Streep é indicada ao Oscar (como quase todo ano), mesmo não tendo o filme que ela está sendo indicada, bate aquele de sentimento de ‘ela merece‘ porque Meryl provou há muito tempo que é uma ótima atriz.

Assim como Cate Blanchet, Christhian Bale, Matt Damon, Leonardo DiCaprio e Kate Winslet, que são nomes reconhecidos mundialmente pelo exato balanceamento que Meryl fez na carreira, ao conseguir tornar os seus rostos em grandes estrelas de Hollywood, mas ainda ter filmes de qualidade saindo de tempo em tempo para manter o status de excelentes atores, sempre em alta.

Esse não é um balanceamento fácil.

Geralmente, é um ou outro.

É por isso que Velozes e Furiosos (possivelmente) nunca vai ganhar um Oscar de Melhor filme e que Birdman que ganhou ano passado não arrecadou nem metade da renda de Velores 7, há um divisão não tão invisível nesse quesito.

Para o ator é ainda mais difícil, e Leonardo DiCaprio é um exemplo claro de como essa divisão tem que ser derrubada aos ponta pés. Se ele não tivesse feito Titanic (e se tornado a sensação teen do final dos anos 90) talvez o seu Oscar já tivesse chegado há muito tempo.

Mas tem uma geração que chegou nas graças do público (embora a maioria já estivesse ralando há muito tempo) que parece ter aprendido com os erros do passado e construíram carreiras bem estruturadas.

Eddie Redmayne, Michael Fassbender, Brie Larson, Saorsie Ronan , Jennifer Lawrence, Tom Hardy, Alice Vinkander, Rooney Mara e Rachel McAdams são todos exemplos práticos de como a pavimentação da carreira é diferente para alguns atores.

brie-larson-alicia-vikander-oscars-2016-luncheonCada um deles estão em estágios diferentes de carreira e prêmios.

Eddie e Jennifer já ganharam o Oscar anteriormente e fizeram parte de grande Blockbusters, Saorsie começou a carreira ainda criança e nessa transação conseguiu a sua segunda indicação ao prêmio esse ano.

Rooney e Alice, tem talento de sobra que o grande público ainda precisa conhecer, mas que quem acompanha de perto já sabem que não estão para brincadeira.

Enquanto Fassbender, Hardy e McAdams já tem carreiras bem estabelecidas há um tempinho, mas ainda podemos enquadra-los a essa nova geração, exatamente por terem conseguido se manterem relevante pelos mesmos motivos.

Já faz mais de 10 anos desde Meninas Malvada, e McAdams continua impressionando e arrebatando os seus fãs com papeis diferentes e a sua competência. Seria muito fácil comparar o seus status de queridinha entre alguns com Julie Roberts, mas ambas trilharam carreiras bem diferentes, e só um fato não as coloca na mesma categoria.

A grande ganhadora dessa safra em 2016 é Brie Larson, que após anos fazendo filmes indies e nunca ter chamado atenção em um blockbuster mostra completamente a que veio em O Quarto de Jack.

Dificilmente sua carreira para por aí, assim como dificilmente ela saí da festa de domingo com as mãos vazias.

Essa renovação é importante para criar premiações, filmes e lançamentos interessantes, disputados e recheados de talentos conhecidos.

Um dia não teremos mais Meryl entre nós, e é necessário fazer com isso não represente o fim de indicações que assim como as delas, em que podemos não ter visto o filme, mas sabemos que foi merecida.

Deixe uma resposta