Blá Blá Blá – Uber Pool e a Economia Compartilhada

Por , 15 de maio de 2016 18:39

GUiaSP-pg7

A nossa cultura tem mudado da mesma forma que a tecnologia. A cada ano, o conceito de consumo em meio a sociedade vem se alterando conforme as pessoas absorvem novas formas de atender as suas necessidades e não os seus desejos.

A geração Y (que eu faço parte) e nova geração Z, não é geração do consumo, como foram a dos nossos pais. Não estamos em busca de bens materiais, como adquirir a casa própria o mais rápido possível, ou o último carro lançado, somos a geração da experiência. Trabalhamos para sustentar nosso estilo de vida, nossas viagens pelo mundo, jantares em locais diferentes, festas… entre outras coisas que nos tragam a satisfação emocional advinda da experiência.

Portando, somos uma geração apta a entender e experimentar qualquer tipo de mudança, buscamos pensar na sociedade como um todo. E por isso somos a geração que está levando a economia compartilhada para outro patamar.

economia-colaborativa-open-mic-econ-circular-nov-2014-10-638

Esta semana utilizei o Uber Pool, o conceito do Pool é que me trouxe a este texto.

Eu me locomovo de carro todos os dias, de casa para o trabalho e depois para a aula, são cerca de duas a três horas por dia em que eu passo sozinha no carro. Isso mesmo, sozinha. Não só eu, mas milhares de pessoas fazem isso todos os dias, e com isso temos uma frota interminável de carros com motoristas sozinhos. Muitas vezes o destino é o mesmo, mas as pessoas não se conhecem e, portanto, não compartilham caronas. Sabemos que existem sites e aplicativos que já auxiliam no processo de carona, e com certeza esse é um processo que irá demorar um pouco mais para entrar na cultura do brasileiro.

Essa semana fui em uma festa com amigos, como ia beber, resolvi deixar o carro em casa e para voltar decidi que experimentaria o Uber, ao invés do tradicional taxi. Isso porque em média uma viagem de taxi das principais baladas de São Paulo para minha residência eu gasto entre 70 a 100 reais, que eu tenho que bancar sozinha. Só isso já é o preço do combustível e estacionamento do local.
uberDepois de um colega ter utilizado o Uber Pool, e falado super bem, resolvi arriscar. Estava no Itaim Bibi, e precisava ir para a Vila Andrade, na região do  Morumbi. Chamei o Uber e optei pelo compartilhamento. Quando o carro chegou, havia um jovem casal que estava voltando de um casamento, eles estavam indo para Moema. Entrei no carro, e cumprimentei a todos. O motorista logo me ofereceu balas e água, mas eu estava mesmo era precisando de um carregador para meu celular que tinha apenas 1% de bateria. O carregador foi rapidamente providenciado, e enquanto o motorista se encaminhava para pegar a quarta passageira do carro, também no Itaim, explicava como funcionava o Uber Pool.

Basicamente trata-se de um serviço de compartilhamento de carro. Quando você solicita o serviço através do aplicativo, é necessário colocar o destino final da corrida, com isso o Uber traça rotas para atender até 4 passageiros, que irão compartilhar o carro, e logo os custos da viagem.

Quanto mais passageiros compartilhando o veículo, mais barata é a sua corrida.

Após pegarmos a última passageira para o carro, que morava pertinho da minha casa, fomos conversando sobre tudo, desde bares bons e ruins, o trânsito na cidade, como foi o casamento balada do casal que estava conosco. Em pouco tempo o motorista parou na Rua Edison, para deixa o jovem casal, nos despedimos e seguimos rumo ao destino final. Eu, a outra passageira, que também se chamava Thais, e o motorista Marcio fomos conversando banalidades durante toda a viagem, o que foi agradável e tornou a viagem rápida e divertida.

Cheguei no meu destino, com um saldo de R$ 20,00 na corrida, e a oportunidade de conhecer 3 pessoas diferentes. Maximizamos o uso do veículo, já que não fosse o serviço, teríamos 3 veículos circulando para atender essas três pessoas. Com certeza utilizarei o serviço mais vezes.

Galera, esta é a economia compartilhada, colaborativa ou qualquer nome que estejam dando pela facilitação dos serviços para grupos de pessoas desconhecidos. O Uber é um exemplo de sucesso de algo que está só começando em nossa sociedade. Estamos partindo para um realidade em que queremos que todos ganhem ao compartilhar, um quarto, escritório, seu tempo.. toda a sociedade ganha no conjunto.

Mas você já parou para pensar nas milhares de coisas que compartilhadas fazem com que toda a sociedade saia ganhando?

economia compartilhada

Obviamente tem muita gente que não esta gostando disso, porque quando você compartilha os ganhos entre todos, alguém esta deixando de ganhar esta parcela individual e mais cara pelo serviço. E é por isso que as grandes corporações, com o pensamento voltado para o século passado estão tão desesperadas em tentar barrar este comportamento.

Estamos partindo para uma sociedade baseada na confiança. Não há milhares de pessoas que alugam quartos e camas através o Airbnb, ou CouchSurfing? Abrindo suas portas para estranhos, e com isso ganhando amigos de culturas diferentes? Assim tanto quem aluga, quando quem esta se hospedando ganha. Então você pode me perguntar, e os hotéis, não perdem? Penso que não, pois sempre há mercado para todos os públicos. Por muitas vezes as pessoas que utilizam o CouchSurfing, é aquela que nunca iria se hospedar no hotel, e vice-versa. Existem mercados para todos os segmentos, mas agora estamos encontrando formas de prestar serviços atendendo a necessidades que eram pouco exploradas, provavelmente de um mercado que ficou por muito tempo reprimido.

Quem não se adaptar, sejam empresários ou usuários, e não souber tirar o melhor proveito desta nova forma de consumir, ficará para trás, relegado ao passado e em pouco tempo será esquecido.

 

Créditos das fotos:

Foto 1: http://www.onoffre.com/
Foto 2: blog Meia Lua Inteira
Foto Uber: Infomoney
Foto 4: http://www.sucesurs.org.br/

 

Deixe uma resposta