Blá Blá Blá – Quem é o dono de Harry Potter?

Por , 12 de junho de 2016 14:43

Um artigo questionou porque a Rowling não consegue largar de Harry Potter e nos voltamos com uma pergunta ainda mais básica: Quem é o dono do Harry Potter?

#Keepthesecrets: Esse Post não contém nenhum spoiler sobre a peça The Cursed Child

harry-potter-cursed-child-theater-getty

Nessa semana, aconteceu em Londres as primeiras encenações de Harry Potter and the Cursed Child (no português Harry Potter e a Criança Amaldiçoada), recheada de muita expectativa já que continua a história do livros, com o trio Harry , Hermione e Ron, agora como adultos (e pais )que  tem os seus filhos estudando em Hogwarts.

Basicamente, a história continua exatamente onde o último livro terminou. Rowling já foi clara que não é um 8º livro. De qualquer forma, em 31 de julho o roteiro da peça será lançado em formato de livro, para atender aqueles que não verão a peça.

Envolvido no misto de mexer com uma história tão querida, algumas pessoas questionaram as suas atitudes. Uma delas foi Sarah Lyall, do New York Times, que  escreveu o artigo JK Rowling Just Can’t Let Harry Potter Go (Leia o artigo completo AQUI).

No artigo, ela conversa com autores (como a Maggie Stiefvater) e Melissa Anelli, responsável pelo Leaky Cauldron, um dos sites mais antigos de Harry Potter. Maggie acredita que o universo deveria ter sido fechado no 7º livro, enquanto Melissa gosta de sempre ter novos materiais.

l-r-harry-potter-jamie-parker-albus-potter-sam-clemmett-ginny-potter-poppy-miller-heroO texto tem um tom aberto, mas ao tentar explicar porque ela acredita que a Rowling não deveria escrever mais sobre o universo HP, ela usa como justificativas fracas, como o do livro extra de Crepúsculo e a ‘continuação’ de O Sol é para todos.

Se você me perguntasse se eu gostaria se saber como a história continua depois de As Relíquias da Morte, eu com certeza responderia para você que a história acaba ali e que não precisamos saber de nada.

Porém, eu pirei (no bom sentido) quando fiquei sabendo que Cursed Child seria uma continuação, eu tenho uma conta ativa desde da fase beta do Pottermore, verei Animais Fantásticos na estreia e ainda estou esperando o dia que Rowling anunciará o lançamento de um livro de 400 páginas intitulado de Hogwarts, Uma História.

Antes dos livros acabarem e quando o mistério reinava em cima de qualquer coisa relacionada com Harry Potter, já sabíamos que Rowling possuía diversos materiais sobre os personagens.

Cadernos e mais cadernos com background dos nossos personagens favoritos, e que apesar de não entrarem na história, eram necessários para que Rowling conseguisse estrutura-los.

Quem está no Pottermore, sabe que logo nos primeiros passos de A Pedra Filosofal recebemos um detalhamento completo da vida da Prof. McGonagall. Não influencia a história e não teria um sentido se isso estivesse dentro do livro, mas ali é um complemento agradável para o publico.

Eu entendo a preocupação e até a determinação de que Rowling deveria ter fechado a história ali no final do 7º livro.
Afinal, vamos ver o nosso trio favorito como adultos, vamos descobrir mais detalhes sobre a sua vida e  a história vai continuar mais um pouco.

Podemos não querer todas essas ramificações, mas apesar de pensarmos diferente, Harry Potter não é nosso.
A única que pode falar que não há mais nada para se contar ali é a própria Rowling.

Como disse, ao dar sustentação para o seu artigo, Sarah cita algumas séries e escritores que não tiveram sucesso com ‘continuações’, mas não fala de um outro mundo das histórias fantásticas, O Senhor dos Anéis.

O Senhor dos Anéis foi criado a partir de O Hobbit, que deveria ter sido uma história única. O ‘Um Anel’, nas primeiras edições de O Hobbit era somente um anel, sem ramificações. Depois foi crescendo e se tornou a saga que conhecemos hoje.
Só que além de O Hobbit e O Senhor de Anéis, temos ainda diversos livros e contos sobre o universo como O Silmarillion e Contos Inacabados.

Tolkien criou um mundo tão fantástico na sua cabeça, que ele tinha muitas outras histórias para escrever dentro daquele universo. Histórias que ele criou muito bem.

Até o momento, não há nada que Rowling tenha criado e/ou desenvolvido que não fosse uma boa experiência para os fãs. Tudo relacionado com o bruxinho deve ser aprovado por ela e iniciativas como os Parks Temáticos e o Pottermore são um bom complemento para quem quer ficar mais próximo.

Os filmes de Animais Fantásticos se passam na década de 20 nos EUA e ainda não sabemos se a peça será tão ruim quanto alguns pensam. Talvez ela só vai mostrar detalhes que estavam ali e que não havíamos percebido ou que eram evidentes demais.

Harry Potter é nosso? Sim, crescemos com ele e temos quase um ‘direito adquirido’.

Porém, tenho a impressão que mesmo Rowling sendo a dona de verdade de HP, ela entende que compartilhou essa sua pequena criação com o mundo inteiro e sabe o peso das suas ações.

Mas ainda assim, é dela. E se ela não pode largar, bom….ela criou em uma série consistente e não precisa provar nada para ninguém.

Por tudo que ela nos deu até agora, estou dando o meu voto de confiança até que eu veja a peça.

Deixe uma resposta