Entre Páginas – Altos voos e quedas livres

Por , 15 de agosto de 2016 10:00

COMO EU NUNCA HAVIA LIDO JULIAN BARNES ANTES?

Altos voos e queda livreEm seu mais recente livro, o prestigiado escritor inglês Julian Barnes parte dos primórdios do balonismo – tendo como ponto de partida as histórias do coronel inglês Fred Burnaby, da atriz francesa Sarah Bernhardt e do fotógrafo Félix Nadar – para chegar a um testemunho contundente sobre o luto.

Vencedor do Booker Prize por O sentido de um fim, também publicado pela Rocco, o autor apresenta, em Altos voos e quedas livres, um comovente relato sobre a dor que se seguiu à morte de sua mulher, em 2008, e mistura, com sua prosa elegante, ensaio, ficção histórica e autobiografia.

Eu gosto de pensar que por mais que eu tenha meus livros e meus escritores favoritas, que ainda lá fora, existe ou ainda está sendo feito o meu livro favorito. A sensação de que talvez eu leia um livro melhor do que Orgulho e Preconceito me deixa animada e totalmente deslumbrada. Parece impossível, mas quem sabe? E por isso, nunca fecho essa porta.

Já vi os livros e o nome do Julian Barnes em muitos lugares por aí, mas nunca ninguém me disso: você tem que ler um livro dele agora, e ele acabou ficando para trás em uma interminável lista.

E talvez alguém não tenha falado para você também, então aqui vai: VOCÊ TEM QUE LER ESSE LIVRO AGORA!

Esse foi o primeiro livro que leio desse escritor britânico, mas se todas as obras deles foram 10% do que esse livro é, ele vai se tornar um dos meus escritores favoritos.

Posso ter dado sorte e ter pego o livro certo, no momento certo e tal, mas todas as marcações que fiz nele, provam o contrário.

Para ter um ideia, o livro começa assim: “Você junta duas coisas que nunca foram juntadas antes. E o mundo se transforma. As pessoas podem não reparar, na hora, mas isso não importa. Mesmo assim, o mundo se transformou.”

Trazendo elementos e histórias sobre o inicio do balonismos, envolvendo personalidades do final do século 19, ele  fala do pecado da altura e como vencendo os céus com os balões a humanidade tomou conta de um lugar antes guardado somente para os pássaros e anjos.

E com isso, ele vai entrando no assunto mais tocante do livro, um relato de como ele continua tocando a sua vida após a morte da sua esposa de 30 anos. Ele fala do poder do amor, mas também de como a perda é  uma dor e uma divisão da história de duas pessoas, principalmente daquele que ficou para trás.

Barnes repete em vários momentos que toda história de amor é uma história de sofrimento, causada pelas variáveis da vida, como a morte.

Apesar de ser trazer a sua vivencia e a sua experiência, Julian relata de uma forma tão bonita, tocante e utilizando tão bem as palavras, que todos os sentimentos expressos  grudam no leitor, sem chance de respirar ou fugir.

Adorei como ele revistou o mito de Orfeu e Erudice, que eu particularmente amo e colocou uma nova luz sobre ele. Simplesmente maravilhoso.

Geralmente quando termino um livro que eu amo muito, e estou deitada na coma ou sofá, fecho os olhos e o coloco sobre mim, para sentir toda aquele ‘peso’. No caso de Altos voos e quedas livres é um livro bem pequeno, mas poderoso e o seu peso é sem igual.

Sem dúvida, um dos melhores livros que li em 2016.

Ficha Técnica:

Livro: Altos voos e quedas livres

Autor: Julian Barnes

Editora: Rocco

Páginas:127 páginas

Nota: 5 estrelas

Deixe uma resposta