Nota Musical – O retorno dos que não foram: Review de Hearts That Strain de Jake Bugg

Por , 19 de setembro de 2017 10:30

Não é surpresa para ninguém que Jake Bugg é um dos meus favoritos, e o fato dele estar lançando o seu quarto CD em seis anos, me faz gostar ainda mais dele. jake-bugg-podria-publicar-proximo-disco-hearts-that-strain-1-septiembre-2

Já falei dele algumas  vezes, e de como o jovem tímido e na dele de Nottingham foi me conquistando, trabalhando bastante e vindo sempre ao Brasil (já fui em três shows dele!! =D), os seus trabalhos ficam sempre frescos na memória.

Tive a oportunidade de ir no show dele aqui em março, e é incrível ver ele amadurecendo e se soltando mais no palco, a medida que o seu material vai evoluindo.

Apesar de amar de paixão os dois primeiros CDs da sua carreira, Jake Bugg e Shangri-la, On My One, lançado ano passado, não fez a minha cabeça. Há algumas músicas ótimas (Love, Hope e Misery é para cantar a plenos pulmões) e sabia que pelas entrevistas, que havia sido um trabalho diferente para o Jake.

Só que diferente na música, pode nem sempre representar um trabalho memorável de cara, mas significa crescimento, abertura para novos ritmos e sons, e isso nunca é ruim.

E aí ele vem lançado Hearts That Strain, um trabalho acústico, ‘voltando’ as origens que ele não tinha abandonado realmente, mas com uma vertente um pouco mais para o country americano.

How soon The Dawn abre o CD já prometendo exatamente isso, mas temos algumas surpresa pelo caminho, como The Man on Stage totalmente no piano e Indigo Blue.

Bugg continua o mesmo, cantando sobre amores e tristezas. Hearts That Strain, que dá nome ao álbum, é uma balada que fala sobre a vida de uma forma dura.

Southern Rain, This Time e Every colour in the World, são exemplos claros do seu talento como compositor, já Burn Alone é Jake Bugg puro. E poderia ser facilmente de qualquer outro CD seu.

Sempre bom perceber, que mesmo com pouco tempo, um artista de qualidade consegue colocar o seu estilo.

Mas as melhores músicas do álbum são: Bigger Lover, uma linha baladinha que parece ter saído dos anos 60, e Waiting.

Em Waiting, estranhei muito ter uma parceria, e ainda mais uma tão aleatória quanto com a Noah Cyrus. Mas paguei a minha língua!

A música é lindíssima e a voz de Noah combina perfeitamente com a de Jake. Não tinha como ter uma outra parceria melhor para essa música.

A evolução do seu trabalho está em todos as músicas do CD, e se continuar assim trabalhando bem e rápido assim, Jake tem tudo para se tornar uma das grandes referências musicais. Just wait and see.

Ficha Técnica:

Jake Bugg Hearts That StrainÁlbum: Hearts That Strain

Artista: Jake Bugg

Gravadora: Universal

Nota: 4/5 Estrelas

Deixe uma resposta