Nota Musical – Review de Wonderful Wonderful do The Killers

Por , 27 de setembro de 2017 17:30

Não é nada fácil falar da sua banda favorita, mas vou tentar fazer jus.

Wonderful Wonderful
Depois de 5 anos sem um CD novo e praticamente 2 anos de hiato enquanto os seus integrantes trabalhavam em projetos paralelos, eu estava animada em ver o meu quarto favorito de todos os tempos juntos novamente.

Eu sei que eles não são a melhor banda do mundo, mas eles são a minha melhor banda do mundo. Como todos os seres humanos, a minha vida tem uma série de altos e baixos, mas quando o Killers está tocando, eu ganho 3 ou 4 minutos de pura tranquilidade. É como se todos os problemas ficassem em stand by por esse tempo.

Os três primeiros Cds da banda, são para mim, uma fonte constante desse escape. Os maravilhosos Hot Fuss e Sam’s Town, é o sonho de qualquer banda indie em formação. Dois CD’s que se complementam e mostram a evolução de algo que já tinha começado muito bem.

Day and Age não foi tão bem recebido, mas depois de quase 9 anos, trás grandes clássicos da banda como Human e Spaceman. Eu gosto até de I Can’t Stay, e fico feliz de ter visto o show dessa turnê, já que é uma música que eles dificilmente tocaram com habitualidade nas apresentações da banda.

Battle Born de 2012, foi um trabalho mais difícil para eu gostar. Depois de várias audições, eu encontrei elementos que me encantaram e assim fizeram o meu apreço crescer.

E Wonderful Wonderful é um CD muito bem feito.

Claro que o anuncio que Mark Stoermer e Dave Keuning não farão a turnê com a banda é um grande balde de água fria, mas como uma pessoa, eu entendo que a vida na estrada não é fácil para ninguém e respeito a decisão deles.

Porém, isso somente me afetou ao escutar as músicas e perceber como os quatro tiveram espaço para brilhar e mostrar o talento deles nesse trabalho, afinal não vamos ter a oportunidade de ver isso ao vivo.

A sequencia Life to Come, Run for Cover e Tyson vs Douglas, mostra como a banda evoluiu e como eles utilizaram elementos diferentes para criar um trabalho diferente.

Dá para perceber claramente como eles tomaram tempo para criar algo digno do legado da banda.

A música que dá nome ao CD Wonderful Wonderful é a primeira do CD, e já começa mostrando onde a banda queria chegar. É uma canção pesada, forte, com uma bateria forte (Ronnie arrasando como sempre) e The Man é o hit que eles precisavam para começar a promover o retorno.

Apesar de tudo isso, apesar de olhar e ver um trabalho de qualidade, nenhuma música me encantou. Nenhuma falou comigo e como uma fã isso é péssimo porque eu QUERIA MUITO isso.

Como disse o CD é consistente, mas nenhuma música conseguiu chegar lá totalmente.

Como eu já tive casos em que a única solução de uma música me encantar, foi ouvindo ela ao vivo, agora é esperar pelo The Killers.

Só vem!

Ficha Técnica:

Capa do CDCD: Wonderful Wonderful

Artista: The Killers

Gravadora: Island Record

Nota: 4 estrelas

Deixe uma resposta