Entre Páginas – Mrs Dalloway e vida pelos olhos de Virginia Woolf

Por , 11 de novembro de 2017 19:08

Não há nada mais gratificante, do que ler um livro INCRÍVEL.

IMG_3760

Mrs Dalloway, primeiramente publicado em 1925, é o primeiro e bem-sucedido resultado do continuado esforço de Virginia para romper com as convenções do romance tradicional e estabelecer as bases de uma nova estética da ficção.

É simples a trama de Mrs Dalloway. Tudo se passa num dia de junho de 1923, entre as 10 horas da manhã e a meia-noite. Na face visível da realidade, a dos atos banais do dia a dia, Clarissa Dalloway sai para comprar flores para a festa que dará à noite. No caminho passa por algumas das ruas centrais de Londres e por dois de seus principais parques, encontrando o amigo Hugh Whitbread. Seu trajeto cruza com o de outro personagem central, Septimus Warren Smith, que, acometido de um sério trauma de guerra, encaminha-se, com a esposa que conheceu na Itália, Rezia, para uma consulta com um importante psiquiatra.

Já em casa, a Sra. Dalloway recebe a visita de um antigo namorado, Peter Walsh, que acabara de voltar de uma longa temporada de trabalho na Índia. Deixando a casa de Clarissa, Peter Walsh empreende a própria caminhada por Londres, regressando, depois, ao seu hotel, de onde sai, ao final da tarde, para a festa da antiga namorada. O romance culmina na festa da Sra. Dalloway, onde se encontram pessoas de suas atuais relações, como o próprio Primeiro-Ministro, e pessoas de seu passado: além de Peter Walsh, também Sally Seton, uma paixão da adolescência.

Um mosaico de cenas exteriores recheia a trama aparente do romance: a passagem de um misterioso automóvel carregando uma importante personagem política; as proezas de um avião escrevente; uma rusga entre a filha adolescente da Sra. Dalloway, Elizabeth, e sua preceptora, a Srta. Kilman; a aventurosa perseguição feita por Peter Walsh a uma senhorita que ele destacara da multidão; uma mendiga, próximo à estação de metrô do Regent’s Park, entoando uma canção ancestral; o trágico fim de Septimus.

Desde que li a obra completa de Shakespeare, eu fiquei muito animada e interessada em fazer isso com alguns autores especiais. Machado de Assis está na lista, estou caminhando para bater isso com Charles Dickens, Thomas Hardy, e com, Virginia Woolf estamos quase lá.

Quer dizer, estamos quase lá. Comecei com o maravilhoso Orlando (leia o review AQUI), e desbravei poucos até então, mas a minha meta continua de pé. Faltando ainda 14 livros e deixando Ao Farol, propositalmente para ser o último, eu resolvi ler esse livro que estava na lista a tempo.

Há algo de libertador quando lemos a obra completa de algum autor. Obviamente, você nunca para de aprender com a obra dele (muito pelo contrário), mas você consegue olhar para aquela personalidade e ver os pontos completos de uma vida dedicada a escrita.

No caso de Mrs Dalloway, a minha história com ela começa muito antes de eu ter os hobbies da minha vida dedicados a literatura. Em um mundo distante em que os filmes tinha um papal mais importante e forte, eu fui ver As Horas no cinema, puxado pelo sucesso e a estatueta ganha por Nicole Kidman para esse filme.

Eu sabia muito pouco sobre Virginia Woolf, e o filme não fez querer ler os livros na época, mas me lembro claramente de uma cena em q eu a Meryl Streep está na cama e começa a explicar sobre a noção de felicidade.

A explicação durou menos de 1 minuto, mas serviu de base para o meu crescimento e até então carrego isso comigo. E ao ler Mrs Dalloway, ficou claro que aquele a pequena frase é o combustível do livro inteiro.

Eu marquei e escrevi muito nesse livro (ainda vamos falar como viramos adeptas dessa técnica tão má vista), são de momentos soltos, de paradas e pensamentos dos nossos personagens, principalmente Clarissa, que veem a vida como um todo e ao mesmo tempo como pequenas parcelas que eles vão analisando e tendo momentos de lucidez e percepção sobre a vida.

Sabe aquelas momentos de insight que você tem quando está atravessando a rua? Só que ao invés de lembrar que você deixou a cafeteria ligada, ou que esqueceu de um compromisso importante, o insight é que você não queria estar atravessando a rua porque o lugar para onde você vai ou o lugar que está voltando não lhe é o que você quer para a sua vida.

E ainda assim, você continua atravessando a rua e vai ( ou volta) do lugar, porque essa é a sua vida.

Mrs Dalloway, obviamente vai muito além disso, mas conseguir descrever esse livro com toda a sua força, eu precisaria ter o talento de Woolf, porque há muitos sentimentos e verdades trazidos a tona, não só dos personagens, mas também do leitor, que está ali na beira das páginas, sabendo que será arrastado para a vida dos Dalloways, mas não tendo a mínima noção de que essa jornada também lhe poderá transformar.

Apesar do que pode soar, a escrita de Virginia  flui, é acessível e contagiante. Só é um livro que tu tive que ler aos poucos. Apesar de ser relativamente pequeno, é um livro para ser lido aos poucos, saboreando e internalizando o material.

No fim, a trama me surpreendeu e superou qualquer expectativa que tinha. Uma das melhores leituras do ano. Com certeza.

Ficha Técnica:

Livro: Mrs Dalloway

Autora: Virginia Woolf

Editora: Autêntica

Páginas: 268

Nota: 5 Estrelas

Deixe uma resposta