Fala série! – O Nevoeiro e as séries que não precisam voltar

Por , 5 de dezembro de 2017 8:00

Série do Netflix baseado em um conto do Stephen King? Não tínhamos como resistir ao Bingewatching dessa nova série. Mas o resultado final ficou bem abaixo do esperado.

C9KduoBWsAEmDs7
David Droyton, seu filho e outros moradores de Bridgton, perto de Nova York, se vêem presos num supermercado quando um nevoeiro misterioso se espalha pela cidade. Quando alguns deles tentam sair, são rapidamente devorados por monstros ocultos na neblina. Pânico, paranoia e fanatismo religioso se espalham pelos habitantes á medida que os monstros começam a intimidá-los cada vez mais e as tragédias se sucedem.

Há tantas adaptações do REI King (hahaha viu o trocadilho? Hahaha….ok, parei) está ficando difícil acompanhar e adiantar as leituras do que está vindo pelo caminho (demos uma ajudinha AQUI).

Uma das que estreou nos últimos tempos no Netflix, foi O Nevoeiro, baseado no conto da antologia Tripulação dos Esqueletos. E a série começa na cidade de Bridgton no Maine, onde o tal nevoeiro toma conta durante 10 episódios, que deveriam variar entre o terror e o suspense.

Continue lendo 'Fala série! – O Nevoeiro e as séries que não precisam voltar'»

Entre Páginas – Tartarugas até lá embaixo de John Green

Por , 4 de dezembro de 2017 7:00

Depois de 6 anos, John Green retorna com o primeiro livro desde o grande sucesso de A Culpa é das Estrelas, para nos apresentar o seu melhor trabalho.

IMG_3673A história acompanha a jornada de Aza Holmes, uma menina de 16 anos que sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido – quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro – enquanto lida com o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).

Repleto de referências da vida do autor – entre elas, a tão marcada paixão pela cultura pop e o TOC, transtorno mental que o afeta desde a infância -, Tartarugas até lá embaixo tem tudo o que fez de John Green um dos mais queridos autores contemporâneos. Um livro incrível, recheado de frases sublinháveis, que fala de amizades duradouras e reencontros inesperados, fan-fics de Star Wars e – por que não? – peculiares répteis neozelandeses.

Quando A Culpa é das Estrelas foi publicado, John Green já era um escritor conceituado e conhecido dos círculos da literatura Jovem Adulta (YA). Com o estrondoso sucesso de ACEDE e consequentemente, ele se tornou John Green. Um nome fácil de ser reconhecido nas livrarias e até mesmo para quem não é fã dos livros.

Assim, seu próximo livro tinha que atingir o nível de expectativa que agora, ele era esperado. E havia vários caminhos mais fáceis e certeiros em sentido de sucesso comercial, que ele poderia ter seguido, mas fico feliz por John ter escolhido um caminho diferente.

Continue Lendo!