Entre Páginas – Far From the Tree

Por , 18 de dezembro de 2017 11:23

Nada melhor do que descobrir que, Far From the Tree, o ganhador do National Book Award de 2017 é realmente um dos melhores livros do ano.

far-from-the-tree-4Ser a filha do meio tem as suas vantagens e desvantagens.

Mas para Grace, tendo sido filha única adotada desde o seu nascimento, e descobrir que ela é irmã do meio é uma jornada diferente.

Depois de colocar o seu próprio bebe para adoção, ela vai procurar a sua família biológica que inclui:

Maya, a sua irmã mais nova que fala pelos cotovelos, que tem muito para falar sobre a sua nova família. Tendo crescido como os cabelos pretos, em uma casa cheia de pessoas ruivas, ela rapidamente aprendeu a procurar traços dela nesses não tão estranhos. E quando a sua família adotiva se enterra em problemas antigos que estavam sendo ignorados, Maya não pode evitar se perguntar aonde exatamente ela se pertence.

E Joaquin, o seu irmão caladão, que não tem interesse em se conectar por conta da mãe biológica deles. Depois de 17 anos no sistema de adoção, ele aprendeu que não há heróis, e segredos e medos devem ser mantidos escondidos, onde eles só podem machucar a si mesmo.

Robin Benway é uma autora americana, e você já deve ter lido alguns dos seis livros dela.

No Brasil, seu trabalho, A música que mudou a minha vida (Auydrey, Wait!) foi lançado pela Galera Record, e é uma deliciosa história musical.

Porém, é em Far From the Three que ela mostrou todo o seu potencial ao entregar uma história envolvente, arrebatadora e diferente.

Eu já sigo a Robin nas redes sociais, então sabia (e ela contou isso em várias entrevistas) que havia sido um livro difícil de escrever, e quando ela anunciou o lançamento, eu já fiquei animada pela sinopse.

Antes mesmo do lançamento oficial, o livro havia sido indicado para o National Book Prize na categoria YA (Jovem Adulto), e  no final, levou o grande prêmio da noite.

E é só ler os primeiros capítulos para entender onde está à força da história. Benway, criou um laço materno envolvendo três personagens distintos Grace, Maya e Joaquim, que dividem uma ferida única, mas com proporções diferentes.

Ao mesmo tempo, que cada um deles se vê no outro e encontram oportunidades de compartilharem algo que só eles tem, é necessário muito esforço para eles se unirem, já eles possuem dificuldades singulares.

Grace acabou de passar por uma experiência traumática, e que a transformou completamente, lhe afastando de tudo que ela um dia entendeu como seu.

Maya ainda está em um momento de  descoberta e de evolução, e parece ter uma vida perfeita, mas há uma grande sombra em sua família adotiva que acaba a atingindo também.

De todos, Joaquim é quem tem a história de partir o coração e praticamente todas as cenas que o envolve, você quer o colocar no colo e dizer que tudo vai dar certo.

Mas obviamente, nem nós leitores e nem os personagens da história pode fazer isso, porque cada um desses irmãos perdidos sabem que a vida não é assim.

É impossível não ir pensando ao longo que a história evolui e cresce na sua frente, como poderia ter sido diferente se tivesse acontecido X ou Y, e vamos tentando encontrar uma solução junto com cada um dos protagonistas.

Dividir essas histórias tão densas em três pessoas ajudou a dar uma leveza e uma misturada nos dramas, não tornando o livro monótono ou chato. Muito pelo contrário. A história flui e vai evoluindo sozinha.

Na sinopse de promoção, falava que as pessoas que gostavam de This Is Us (série americana), adorariam essa história também. Antes de ler, eu achei desnecessária essa comparação.

Mas, depois percebi o quanto é interessante essa analogia.

Para quem ainda não viu,  This Is Us te faz sorrir e chorar litros, e eu ainda não assisti um episódio que não me fizesse chorar. Porém, é aquele sentimento que te deixa com o coração apertado e quentinho ao mesmo tempo.

Não há vilões, somente as consequências da vida, e a mesma coisa acontece em Far From the Tree.

É um desafio terminar esse livro sem chorar, e sem pensar que ele mereceu muito o prêmio do NBA. E por isso, ele é um dos melhores livros do ano.

 

Nível Inglês: Intermediário/Avançado

Ficha Técnica:

Livro: Far From The Tree

Autora: Robin Benway

Editora: HaperTeen

Páginas: 384 páginas

Nota: 5/5 estrelas

Deixe uma resposta