Entre Páginas: A Letra Escarlate de Nathaniel Hawthorne

Por , 29 de janeiro de 2018 9:59

Fui conhecer esse livro tão importante da literatura americana e, ficou por isso mesmo.

IMG_4858A ficção de Nathaniel Hawthorne, cuja sólida construção estilística fez dele o primeiro grande romancista dos Estados Unidos, apresenta os dilemas de personagens que, cerceados por uma sociedade puritana, buscam o direito à liberdade afetiva. Hawthorne desce aos segredos do subconsciente reprimido, à tensão dos impulsos contraditórios, à angústia que transita da inocência à perversidade. É um moralista da ambigüidade, estilista que se expõe em recortes autobiográficos profundos.

Quem conhece o blog, sabe que temos uma lista gigantesca de livros clássicos para matar e que tentamos seguir uma programação que nunca dá certo. Depois de muito protelar a leitura de The Scarlet Letter, eu me vi literalmente com a faca e o queijo na mão, quando comprei vários títulos da série da Arcturus.

Eles com a capa linda e aquele preço bem camarada, no estilo de que você não tem dó de enfiar na bolsa e carregar para todo lado.

Ainda assim, eu peguei  para ler um pouco antes do Natal, confiante de que conseguiria ler em poucos dias. Como estava enganada.

Apesar de ter um número relativamente pequeno de páginas (pouco mais de 200 páginas), a história não me pegou e foi somente com várias doses de boa vontade que eu consegui finalmente terminar a leitura.

Há vários elementos do livro que justificam o seu status de leitura obrigatória para o currículo da maioria das escolas americanas, e que o faz ser presença constante em várias listas de ‘livros importantes para se ler’.

A história se passa em uma comunidade puritana, com Hester Prynne sendo praticamente excluída da sua sociedade ao engravidar quando o marido está fora. A ‘Letra Escarlate’ em forma de A (Adultera) que ela usa no peito vai se tornando o seu fardo e ao longo da história, parte dela.

É interessante ver como a vergonha recaí sobre ela, tentando poupar a criança, mas ainda assim, sem citar ou lembrar muito que teve um homem envolvido ali para que aquilo acontecesse.

Outro ponto importante da leitura, é como se torna óbvio para nós, ver como a questão recaí exatamente em um importante líder da comunidade. Óbvio porque isso já se tornou praticamente um clichê dos nossos tempos e lemos a história com aquela dose de sarcasmo.

Mesmo com tudo isso, minha experiência com a leitura não foi tão edificante quanto esperava. Tenho problema com tudo que é bem feito, mas que não me conecta, e isso aconteceu com a história de Hawthorne.

De qualquer forma, ele ainda vai continuar aparecendo nas listas por aí, e fico contente de agora já conseguir marcar ele.

 

Ficha Técnica:

Livro: A Letra Escarlate

Autor: Nathaniel Hawthorne

Editora: Arcturus

Páginas: 222 páginas

Nota: 3,0/5 estrelas

Deixe uma resposta