Posts com a tag:Blá Blá Blá

Blá Blá Blá: Os Amores de Papel #DiadosNamorados

Por , 11 de junho de 2017 20:30

post - amores

Há uma linha bem marcada que atravessamos quando nos tornamos leitores. Não é errado afirmar que deixamos um mundo cinzento para trás e começamos um percursos com várias estradas, desvios e opções.

Quando entramos nesse delicioso labirinto da leitura, dificilmente passaremos pelas mesmas experiências, gostos e desgostos de outras pessoas. Cada um carrega a sua experiência pessoal para dentro dele, e até mesmo qualquer pequena diferença dos passos (como alguns livros diferentes), podem acarretar nessas diferenças.

Por isso, ler um livro é embarcar em uma viagem, e isso vale para as coisas ruins e para as boas. Para os momentos de mistério, e da tranquilidade dos epílogos. E isso também significa, que se o personagem é encantador, temos grandes chances de nos apaixonarmos por eles.

Às vezes, é uma paixonite que termina no momento em que você fecha o livro e segue em frente para o próximo, mas há alguns personagens que nos cativam tanto,  que não queremos terminar o livro.

Ou melhor, o livro nunca termina para nós. É alguém falar o nome, que já damos aquela pequena suspirada e uma leve inclinação de cabeça, lembrando exatamente de como ele nos fez sentir.

A saudade pode ser tão grande, que em muitos momentos você relerá o livro, para se reencontrar com esse sentimento.

Se apaixonar por um personagem, é bem parecido com encontrar um desconhecido no metro, no ônibus ou até no elevador. Uma pessoa que você olha e já se sente atraído de cara. E nem sempre é só por conta do tipo físico (às vezes é, né?), mas o jeito da pessoa. Você olha e pensa: Meu número.

E aí, o ponto chega, o vagão para na estação ou o elevador para no seu andar, e você vai embora continuando a sua vida. Mas certamente, contará para alguém sobre o seu encontro, porque ele tem toques de mistérios.

tumblr_mtbympRFAX1rxqag1o1_500

Continue Lendo!

Blá Blá Blá – Matando o TOEFL: Diário #01

Por , 9 de abril de 2017 9:30

Acabou a enrolação! É hora de enfrentar o TOEFL.

IMG_1266

Os meus estudos de inglês se iniciaram muito antes de eu entender o que estava fazendo. Com um encarte do primeiro CD da Christina Aguilera nas mãos e um dicionário muito antigo, grosso pesado de inglês que tinha em casa, eu fui tentando traduzir as músicas.

Especificamente Love Will Find a Way, que era uma das minhas favoritas do CD. O único problema era que eu (e ninguém de casa), tinha nenhuma noção de inglês e internet era uma coisa que existia em um lugar distante (estamos falando de praticamente 19 anos atrás).

Sem outra alternativa, ia procurando cada palavra no dicionário. Até que você já procurou tantas vezes Because, que o significado entrava na sua cabeça.

E fui nesse esquema de várias tentativas e um estudo capenga e muito superficial, até fazer um curso de verdade em uma escola. Nesse momento, juntou a fome com a vontade de comer, e sei que aproveitei bem esses 4 anos de estudos, exatamente por gostar muito da língua.

Continue Lendo!

Blá Blá Blá – Sou Feminista

Por , 8 de março de 2017 18:39

feminism

Pensei muito em escrever esse texto, mudei mil vezes o título e ainda tenho a impressão que posso me arrepender de declarar com todas as palavras nessa posição. Mas há alguns momentos, em que é preciso defender o que você acredita. E aqui está.

Dia das Mulheres é muito bonito, tocante e com um significado importante. Só que ao longo do dia você encontra online e pessoalmente alguns comentários que podem não ter um cunho maldoso, mas que deixa bem claro: Para que um dia só para as mulheres?

Continue Lendo!

Blá Blá Blá – Metas, Resoluções e o perigo de não viver

Por , 2 de janeiro de 2017 11:31

Feliz 2017, Pessoal!
Espero que tenham tido uma virada de ano especial e se não tiverem…bom. é só mais um dia.

cca6fcb9c8390da9a407784fe09a7aca

Eu sou uma pessoa que me cobro muito. O que geralmente não espero de outras pessoas, quero que eu faça o dobro ou que não deixe de fazer. É uma bênção e uma maldição.

Continue Lendo!

Blá Blá Blá – Lá e de volta outra vez

Por , 21 de setembro de 2016 16:36

foto
Escrevo isso, sentada no aeroporto Charles de Gaulle em Paris. Uma cadeira muito confortável, um aeroporto lindo, e uma tomada estrategicamente posicionada do lado do meu note, a vida pode parecer bem perfeita, se não fosse um pequeno detalhe: esse é o meu voo de volta para casa.

A antecipação para uma viagem grande pode ser ao mesmo tempo uma tortura e uma dádiva. Tortura porque você fica pensando o quanto que falta para chegar e dádiva porque é para onde os seus pensamentos vão, quando todo o resto falha.

Uma coisa (ou várias) ruins acontece, mas você pensa em tantos dias (semanas ou meses)  vou estar de férias, vou estar viajando. Eu sou do time que se tirar férias tem que viajar, nem que seja para a casa de uma tia ou para cidade do lado.

Mas eu também sou de time em que cada viagem foi importante e transformadora, e por isso, elas são tão especiais para mim.

Para quem nos acompanha nas redes sociais (e se não, nos siga, somos legais), sabe que passei as últimas duas semanas na Inglaterra explorando, conhecendo cidades como Bath e Stratford Upon Avon e vendo peças como Les Miserables e Harry Potter and the Cursed Child. No meu retorno, com o tempo, espero dividir algumas dessas coisas com vocês.

Porém, hoje a questão é muito maior, é a questão de que estou indo para casa. Depois de 15 dias dormindo em quartos com 12 pessoas em hostel, comendo sanduíche e tomando banho daquele jeito, pensar que estou voltando para casa é reconfortante.

Só que algo muda em você quando você passa tantos dias em uma cidade tão diferente. Eu basicamente passei hoje planejando como me amarrar no Big Bang e nunca ir embora.

Não é melhor que o Brasil, mas é diferente. Um diferente que me tocou de uma forma que outras cidades não conseguiram.

Vários medos me acompanharam antes dessa viagem. A taxa alta da Libra, o meu budget reduzido, ficar em um hostel sozinha, e principalmente, viajar sozinha.

Eu nunca tinha viajado sozinha, e apesar de ser comunicativa e solta, tenho dificuldade de fazer amizades rapidamente. No voo de ida, fiquei pensando em como faria para andar pelas cidades sozinha, com quem falaria quando quisesse dividir aquilo que estava experimentando.

Descobri que lido muito bem sozinha e comigo mesma. Foi chegar, tomar um banho e pronto.

Estava já andando pela cidade, errando caminhos e dando sorrisos sozinha. Conversei muito comigo (dentro da minha cabeça, não se preocupem porque não fiquei falando com o vento), escrevi bastante no diário da viagem (apesar dele estar uns 5 dias desatualizado agora), e principalmente, aproveitei essa chance para sentir e internalizar.

Piegas, eu sei, mas foi bem diferente. Foi diferente de todas as viagens que já fiz, e agora olho para frente pensando em tudo que preciso mudar.

Repito: Não há nada melhor que viajar e as mudanças que esse novo lugar lhe trará.

Porque no final, não importa que você vai embora, o que importa é que você vai levar um pedaço dessa experiência dentro de você.

Aí quando chega em casa, cabe a cada um de nós, decidir quais mudanças ficarão.

Estou voltando uma pessoa diferente e só o tempo dirá o que isso causou.

Blá Blá Blá – There’s no place like home e o que você encontra na Bienal

Por , 27 de agosto de 2016 14:02

Loving-Image

Em O Mágico de Oz, depois de tentar fugir de casa em seu mundo, Dorothy acaba presa em casa e arrastada para o mundo de Oz. Lá ela tem incríveis aventuras e conhece amigos, canta, se diverti e vê a vida de outra perspectiva.

Mas quando tudo acaba, Dorothy só quer ir para casa.

Para quem ama os livros, a vida é bem parecida com a história da Dorothy. Temos os livros que são as nossas casas, podemos abrir em qualquer lugar e estamos em casa, são o nosso refugio mesmo quando a história ali dentro não é tão animada e reconfortante.

E de vez em quando, um tornado vem destruir a nossa zona do conforto e nos arrasta para a vida. Essa mudança pode ser boa ou não, mas assim como Dorothy aprendemos andando por aí, nos divertimos, mas chega uma hora que o batuque das 4 da manhã se torna menos interessante e você só quer ir para casa e terminar aquele capitulo.

De uma forma, a Bienal (ou qualquer evento literário como a Flip) é a junção de Oz e a nossa casa. Não é um lugar que vamos ler livros o tempo todo (apesar de acontecer em vários momentos), mas estamos rodeadas por eles, e por pessoas que trabalham com eles e mais importante: Por pessoas que os amam e entendem o quanto eles são importantes.

Como leitores, muitas vezes escutamos pessoas nos perguntando porque gostamos de ler tanto. Elas não são leitores e entendemos isso, porém para eles parece impossível que um livro de 300 páginas possa nos fazer tão bem.

Mas dentro dos limites de um evento assim, estamos finalmente em casa por algumas horas, a única diferença é que essa casa vai nos apresentar a novos livros, fazer a nossa coleção aumentar e até mesmo nos fazer ter mais amigos.

Não há lugar como a Bienal, e para quem ama livros, é realmente como chegar em casa.

 

Blá Blá Blá – Crescendo com Hermione Granger

Por , 31 de julho de 2016 10:00

Não existiria Harry Potter como conhecemos, sem a Hermione Granger. E eu seria diferente sem essa personagem na minha vida.

Harry Potter é parte de mim.

Podem falar, bater ou tentar me persuadir, mas o poder que essa série tem na minha vida é muito grande. E começou em um momento crucial do meu crescimento.

Tive Harry Potter e a sua turminha me acompanhando durante toda a minha adolescência e o que li e as atitudes dos personagens, foram termômetros e referências em uma fase da vida em que não queremos escutar ou aceitar a opinião de ninguém.

Continue Lendo!

Blá Blá Blá – Limonada com flor de laranjeira

Por , 26 de julho de 2016 11:30

Não viramos um blog gastronômico. Tão pouco você vai encontrar aqui uma receita para limonada com flor de laranjeira.

Essa é uma história dos tropeços que você leva quando decide sair da mesmice.

FLor de Laranjeira

Há 3 anos atrás, eu sabia recitar de cor o meu discurso sobre comida.

Basicamente, eu descobria um novo local para comer e podia ser a tia do trailer da faculdade ou um restaurante mais chic,e o que eu comesse do cardápio pela primeira vez, era a minha opção em todas as vezes que eu voltasse nesse local.

E até mesmo para variar de local era muito difícil. Eu estava acomodada e não fazia nada para mudar isso.

Continue Lendo!

Blá Blá Blá – Hoje tenho a estante dos meus sonhos: Relato de uma book-a-hollic

Por , 25 de junho de 2016 18:31

Depois de muitos planos, orçamentos e espera  finalmente consegui a estante que sempre sonhei.

IMG_7212

Quando o mundo dos livros de aberto para nós, é fascinante e assustador ao mesmo tempo. Há tantos livros que queremos ler e/ou ter, que como coisas como o tempo e dinheiro, se tornam muito pouco para  a quantidade de livros que queremos.

Só que o que ninguém te prepara, é que você vai precisar de espaço físico para guardar todos esses livros.  Ninguém vai te falar que depois de um tempo só comprando, você vai precisar de cada vez mais prateleiras e prateleiras para manter os seus livros bem organizados, limpos e de fácil acesso.

Você começa comprando uma prateleira, depois uma segunda prateleira, aí porque não tem mais espaço nas paredes, uma estante pequena, que parece ficar cheia já na montagem dos livros.

Talvez você compre uma segunda estante igual, e em pouco tempo, o espaço acaba.

Para quem mora com os pais como eu, o seu espaço se limita ao seu quarto para guardar as suas coisas, incluindo a sua coleção crescente de livros que inacreditavelmente não consegue parar de aumentar. (Talvez, por causa daquelas promoções que as suas amigas te mandam, como os 4 primeiros livros da série Outlander por R$ 20,00 cada.)

Eu passei por todas as fases acima.

Continue Lendo!

Blá Blá Blá – Quem é o dono de Harry Potter?

Por , 12 de junho de 2016 14:43

Um artigo questionou porque a Rowling não consegue largar de Harry Potter e nos voltamos com uma pergunta ainda mais básica: Quem é o dono do Harry Potter?

#Keepthesecrets: Esse Post não contém nenhum spoiler sobre a peça The Cursed Child

harry-potter-cursed-child-theater-getty

Nessa semana, aconteceu em Londres as primeiras encenações de Harry Potter and the Cursed Child (no português Harry Potter e a Criança Amaldiçoada), recheada de muita expectativa já que continua a história do livros, com o trio Harry , Hermione e Ron, agora como adultos (e pais )que  tem os seus filhos estudando em Hogwarts.

Basicamente, a história continua exatamente onde o último livro terminou. Rowling já foi clara que não é um 8º livro. De qualquer forma, em 31 de julho o roteiro da peça será lançado em formato de livro, para atender aqueles que não verão a peça.

Continue Lendo!