Posts com a tag:Entre Páginas

Entre Páginas: A Letra Escarlate de Nathaniel Hawthorne

Por , 29 de janeiro de 2018 9:59

Fui conhecer esse livro tão importante da literatura americana e, ficou por isso mesmo.

IMG_4858A ficção de Nathaniel Hawthorne, cuja sólida construção estilística fez dele o primeiro grande romancista dos Estados Unidos, apresenta os dilemas de personagens que, cerceados por uma sociedade puritana, buscam o direito à liberdade afetiva. Hawthorne desce aos segredos do subconsciente reprimido, à tensão dos impulsos contraditórios, à angústia que transita da inocência à perversidade. É um moralista da ambigüidade, estilista que se expõe em recortes autobiográficos profundos.

Quem conhece o blog, sabe que temos uma lista gigantesca de livros clássicos para matar e que tentamos seguir uma programação que nunca dá certo. Depois de muito protelar a leitura de The Scarlet Letter, eu me vi literalmente com a faca e o queijo na mão, quando comprei vários títulos da série da Arcturus.

Eles com a capa linda e aquele preço bem camarada, no estilo de que você não tem dó de enfiar na bolsa e carregar para todo lado.

Ainda assim, eu peguei  para ler um pouco antes do Natal, confiante de que conseguiria ler em poucos dias. Como estava enganada.

Continue Lendo!

Entre Páginas – Spotlight: Segredos Revelados

Por , 12 de janeiro de 2017 12:30

Eu já tinha visto o filme, mas ainda assim, ler sobre a reportagem do The Boston Globe que denunciou os abusos sexuais dos padres da igreja católica, foi uma experiência completamente diferente.

spotlightSpotlight – Segredos Revelados conta as descobertas da real investigação feita por um grupo de corajosos jornalistas, ganhadores do Prêmio Pulitzer em 2003, que denunciaram uma sucessão de abusos sexuais, obrigando a Igreja Católica a prestar contas.

Em janeiro de 2002, o jornal The Boston Globe publicou uma série de reportagens que chocou o mundo. Centenas de crianças em Boston foram molestadas sexualmente por padres – certos de sua impunidade, eles agiam com o aval das autoridades religiosas, que acobertaram seus crimes por décadas. As reportagens revelaram a obscena quantia gasta pela Igreja Católica com acordos para comprar o silêncio das vítimas cujas vidas foram devastadas por pedófilos que vestiam hábito e tinham o Pai Nosso na ponta da língua.

A denúncia abalou as estruturas da Igreja Católica e deixou milhões de fiéis no mundo inteiro estarrecidos, furiosos e indignados: a instituição que deveria servir e proteger a comunidade usou sua poderosa influência para se resguardar do escândalo.

Em um mundo cheio de incertezas e mudanças algumas são mais fáceis, e outras, são um pouco difíceis de digerir.

São as mudanças que cabem na segunda categoria, são as mais importantes para o crescimento, amadurecimento e discernimento da humanidade. Quando a reportagem do The Boston Globe foi publicada, eu tinha 13 anos, e me lembro vagamente de vários comentários sobre isso.

Continue Lendo!

Retrospectiva 2016 – Lista de Leituras

Por , 30 de dezembro de 2016 13:00

sam_4224

Quando o ano começa, podemos até tentar planejar algumas leituras em conjunto que costumam acontecer, mas a medida que o ano vai ficando mais complicado e corrida para uns, é difícil entrar em um consenso do que um quer/consegue ler em determinado momento.

Com isso, as leituras da equipe são diversificadas e olhando para lista de cada um dá para perceber uma diferença de leituras e ritmo de cada uma. Thais e Sabrina conseguiram passar as suas metas estipuladas enquanto a Fanny ficou alguns números atrás e sabe que precisa diminuir o seu número para o próximo ano.

Veja Também:

Os Melhores Livros do Ano

Só que e as nossas rotinas deixam as nossas listas diversas, há algumas similaridades, como uma queda gigantesca por romances históricos e contemporâneos e clássicos da literatura pipocando aqui e ali.

Entre os Romances e os Clássicos: O ano da Sabrina

Continue Lendo!

Retrospectiva 2016 – O Melhor do Café: Livros

Por , 30 de dezembro de 2016 12:30

E finalmente….os livros!

paraty

Temos muito interesses e sabemos da importância de sair e viver a vida, mas ainda há poucas experiências que se comparam com a de sentar e ler um livro, que ainda não encontramos nada pode substituir.

Quando abrimos as páginas de uma nova história, podemos ler em ‘uma sentada’, demorar alguns meses, ter que colocar metas diárias para vencer ou até mesmo abandonar por alguns meses para depois retomar.

Acontece que mesmo quando um livro nos é recomendado nunca sabemos como aquela história vai nos encantar, fascinar ou nos impressionar.

O ano de 2016 foi importante porque juntas vencemos um grande desafio, Guerra e Paz, e mesmo com todas as colocações que faremos em breve aqui no blog, o livro ainda entra como um dos melhores livros do ano.

Sim, é gigante, mas vale a pena.

E junto com Tolstói, descobrimos grandes escritores que passavam batido nas livrarias/biblioteca e agora são queridos, romances que nos fizeram suspirar e antigos e novos gêneros que vieram bater na nossa porta e entrar novamente nas nossas listas de prioridades.

Veja Também:

Lista de Leitura de 2016

Fechamos o ano com a nossa lista de TBR maior do que quando começamos, mas com a certeza de que estamos fazendo boas escolhas pelo caminho.

Nossos livros favoritos (sem nenhuma ordem especifica) são:

Sabrina

sabrina

 

 

Guerra e Paz de Liev Tolstói

David Copperfield de Charles Dickens

A Luz entre os Oceanos de M.L. Stedman

Os Luminares de Eleanor Catton

 

 

 

Thais

thais

 

 

Guerra e Paz de Liev Tolstói

A redenção de Lisa Kleypas

Champion de Marie Lu (Série Legend)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fanny

fannyAltos Voos e Quedas Livres de Julian Barnes (Favorito de todos!)

O Filho Eterno de Cristovão Tezza

Harry Potter e a Criança Amaldiçoada de JK Rowling

Meio sol amarelo de Chimamanda Ngozi Adichie

O Quarto Dia de Sarah Lotz

A dama da Meia-Noite de Tessa Dare

A Metamorfose de Franz Kafka

Os Luminares de Eleanor Catton

 

 

 

 

Entre páginas – O Papagaio de Flaubert

Por , 12 de dezembro de 2016 11:55

Terceiro livro do ano de Julian Barnes e eu quero ainda muito mais.

o_papagaio_de_flaubert_1361025278bGeoffrey Braithwaite, médico inglês aposentado, admirador de Gustave Flaubert, descobre num museu da Normandia um papagaio empalhado, que o escritor francês teria tomado emprestado para escrever a novela Um coração singelo. Em outro museu, outro papagaio empalhado também passa por ter sido o que serviu ao escritor do século XIX.

Qual deles seria o autêntico? O que é realidade e o que é fantasia no trabalho de um autor? Partindo de um dado aparentemente prosaico, o escritor britânico Julian Barnes desenvolve uma prosa deliciosa em que todos os gêneros são transgredidos – romance, biografia, crítica literária – e em que o resultado surpreende a cada passo. Raras vezes inteligência e versatilidade andaram tão juntas. Ou foram reconhecidas com tanta unanimidade.

Eu sei que comecei a ler Julian Barnes pelo livro certo. Altos voos e quedas livres (Leia AQUI o nosso review) é aquele tipo de livro que você se apaixona de cara. Foi de longe, o melhor livro que li esse ano.

Continue Lendo!

Entre Páginas – A Cor Púrpura

Por , 17 de outubro de 2016 12:05

Alguns livros nos fazem sonhar. Outras são um chute no estômago. E todos eles são importantes, como A Cor Púrpura de Alice Walker.

a-cor-purpuraA comovente história da adolescente negra começa em uma pequena cidade na Geórgia (EUA) em 1909. Celie, uma jovem com apenas 14 anos é violentada pelo pai e se torna mãe de duas crianças. Além de perder a capacidade de engravidar, Celie imediatamente é separada dos filhos e da única pessoa no mundo que a ama, sua irmã.

Ela é doada por seu pai a “Sinhô”, que a trata mais como escrava do que como esposa. Grande parte da brutalidade com que Sinhô a trata provêm por alimentar uma forte paixão por Docí Avery, uma sensual cantora de blues, que foi sua amante e tem grande influência na vida de Celie.

Celie fica muito solitária e compartilha sua tristeza em cartas (a única forma de manter a sanidade em um mundo onde poucos a ouvem), primeiramente com Deus e depois com a irmã Nettie, que se tornou missionária na África. Conforme a trama se desenvolve, Celie revela seu espírito brilhante, ganhando consciência do seu valor e das possibilidades que o mundo lhe oferece.

Acredito que isso já aconteceu com vocês. Até um certo tempo, você nunca leu um livro que retratasse um assunto especifico, e de repente, como se abrisse uma porteira, parece que você só lê sobre isso.

Continue Lendo!

Entre Páginas – Festa no Covil

Por , 10 de outubro de 2016 11:35

A riqueza da literatura Sul americana é infinita, mas acaba de se perdendo entre tantos lançamentos americanos. Mas há muita coisa boa por aí, e Festa no Covil do mexicano Juan Pablo Villalobos, é um dos precisam ser lidos.

festa-no-covil1O romance de estreia de Juan Pablo Villalobos é surpreendente em muitos sentidos.

Breve e incisivo ao revelar a face mais violenta da realidade (não apenas)mexicana sob uma ótica insólita, entra no cânone da narcoliteratura sem ceder aos tiques próprios do subgênero. Em ‘Festa no Covil’, a vida íntima de um poderoso chefe do narcotráfico , Yolcault, ou “El Rey” é narrada pelo filho. Garoto de idade indefinida, curioso e inteligente, o pequeno herói, que vive trancado num “palácio” sem saber a verdade sobre o pai, reconta sem filtros morais o que presencia ou conhece pela boca dos empregados ou pela tevê.

Seu passatempo é investigar secretamente os mistérios que entrevê, colecionar chapéus e palavras difíceis e pesquisar sobre samurais, reis da França e animais em extinção, sempre com o auxílio de seu preceptor, um escritor fracassado egresso da esquerda.

Entre as formas de se contar uma história, não há forma mais inocente e diferenciada do que se contar sobre o ponto de vista de uma criança. Em um mundo onde os adultos já tem as suas próprias noções de certo e errado, quando mudamos a visão para uma pessoa mais jovens, e principalmente para um criança esses contornos predeterminados podem se tornar menos nítidos.

Festa no Covil trás exatamente isso.

Nosso narrador é Tochtli, filho do chefão do tráfico de drogas que mora em um mundo construído pelo dinheiro do seu pai e onde ele tem acesso a somente as coisas que assim o convir. O que ele consome de conhecimento, é o que é filtrado através do seu pai, dos capangas que trabalham com ele e de alguns tutores.

Continue Lendo!

Entre Páginas – Relendo Harry Potter em inglês: A Pedra Filosofal

Por , 1 de agosto de 2016 20:54

Depois de anos longe, eu resolvi reler Harry Potter e arriscar de uma forma diferente, lendo em inglês. Não sei se é a saudade ou as palavras, mas deu para saber porque amo tanto, já nos primeiros capítulos de Sorcerer’s Stone.

foto 2Harry Potter é um garoto cujos pais, feiticeiros, foram assassinados por um poderosíssimo bruxo quando ele ainda era um bebê. Ele foi levado, então, para a casa dos tios que nada tinham a ver com o sobrenatural. Pelo contrário. Até os 10 anos, Harry foi uma espécie de gata borralheira: maltratado pelos tios, herdava roupas velhas do primo gorducho, tinha óculos remendados e era tratado como um estorvo.

No dia de seu aniversário de 11 anos, entretanto, ele parece deslizar por um buraco sem fundo, como o de Alice no país das maravilhas, que o conduz a um mundo mágico. Descobre sua verdadeira história e seu destino: ser um aprendiz de feiticeiro até o dia em que terá que enfrentar a pior força do mal, o homem que assassinou seus pais. O menino de olhos verde, magricela e desengonçado, tão habituado à rejeição, descobre, também, que é um herói no universo dos magos. Potter fica sabendo que é a única pessoa a ter sobrevivido a um ataque do tal bruxo do mal e essa é a causa da marca em forma de raio que ele carrega na testa. Ele não é um garoto qualquer, ele sequer é um feiticeiro qualquer; ele é Harry Potter, símbolo de poder, resistência e um líder natural entre os sobrenaturais.

Há um ditado que eu adoro e que serve de base para vários livros que leio e amo: Não é o destino final que importa, é o caminho.

E isso combina perfeitamente com os vários livros do mesmo tema que leio, que apesar das suas similaridades, cada uma tem a sua história.

E o mesmo acontece com os livros que releio.

Continue Lendo!

Entre Páginas – Entre Os Atos #Projetopravida

Por , 21 de julho de 2016 11:30

E riscamos da nossa interminável lista do #Projetopravida, mais um da Virginia Woolf.

Resenha Entre os Atos‘Entre os Atos’ foi o último romance de Virginia Woolf, publicado após sua morte. Apesar de ser o mais curto de seus livros, é aquele em que o experimentalismo que ela sempre cultivou se revela mais radicalmente. Sua ação transcorre em apenas um dia e, esquematicamente, pode se dizer que representa a luta da civilização contra a selvageria. Aqui também nota-se que Virginia Woolf se disfarça sobre os traços de uma de suas personagens: a burlesca, rude e solitária Miss La Trobe, diretora de um espetáculo teatral que serve de pretexto e motivação para tudo o que transcorre ‘entre’ seus ‘atos’.

Nos último ano, algumas autoras se revelaram para mim, e uma delas foi Virginia Woolf. Depois de Orlando (que gostei muito) e As Ondas (que amei) o próximo da lista era Entre Atos.

Diferentemente de vários desafios que estou fazendo, com a Virginia eu não estou seguindo nenhum ordem pré-determinada. Entre os Atos só era o próximo. porque era o que tinha em casa.

Um dos elementos que mais me encontrou em As Ondas é como as palavras e frases vinham em um ritmo constante e ao mesmo tempo desordenado, como as ondas do mar. Me encantou não só essa sutileza de escrever, mas também a destreza que foi necessária para tal ato.

Entre os Atos,não é um livro pior que os outros, mas me encantou menos. No começo do livro, é mencionado que livro estava praticamente aprovado pela Virginia quando ela se suicidou em 1941 que poderia fazer pequenas alterações, mas não grandes modificações.

Mas talvez pelo período conturbado da escrita (além do seu estado psicológico, a 2° Guerra Mundial estava no auge), o livro não é tudo o que poderia ser.

Começa morno, levanta um pouco no meio prometendo um amadurecimento da história, que não é alcançado no final.

Ainda preciso ler muitos outros livros dessa inglesas e Entre os Atos fica, por enquanto, no final da minha livros favoritos dela.

Ficha Técnica:

Livro: Entre os Atos

Autora: Virginia Woolf

Editora: Saraiva

Páginas: 163 páginas

Nota: 3/5 estrelas

Entre Páginas – Eligible

Por , 20 de junho de 2016 11:59

Depois de muito burburinho lá fora e uma presença expressiva nos mais lidos do New York Times, precisei ler Eligible, uma releitura moderna do meu livro favorito, Orgulho e Preconceito.

25852870Essa versão da família Bennet – e do Sr. Darcy – é uma que já conheceu e ao mesmo tempo ainda não conheceu antes: Liz é uma escritora de revista com seus 30 e tantos anos, como a sua irmã instrutora de Yoga, Jane, e ambas moram em Nova York. Quando o pai delas dá um susto com a saúde, ela voltam para a casa em Cincinnati, para ajudar e descobrir que a casa e a família está despedaçando.

As suas irmãs mais novas, Kitty e Lydia estão muito ocupadas com as suas dietas e o Crossfit pra arrumarem um emprego. Mary, a irmã do meio, está tirando o seu terceiro diploma e mal sai do quarto, exceto um saída misteriosa as terças a noite. E a Sra Bennet só tem uma coisa na sua cabeça: casar as suas filhas, especialmente a Jane já que o seu aniversário de 40 anos está chegando.

Quando Chip Bingley, um lindo novo doutor da cidade que recentemente participou do reality show de namoro Eligible. No churrasco de 4 de julho,Chip se interessa imediatamente por Jane, mas o amigo de Chi, o neurocirurgião, Fitzwilliam Darcy se mostra para Liz muito menos charmoso.

E mesmo assim, as primeiras impressões podem enganar…

A coluna de livros do New York Times, envia o seu newsletter toda sexta-feira depois do almoço.

Isso quer dizer que toda sexta-feira quando chego em casa do trabalho, eu tenho bastante coisa para ler sobre os lançamentos, mais vendidos e outras curiosidades que a o newsletter traz.
Minhas leituras não são baseadas nele, mas é uma boa fonte de consulta.

Em um desses newsletter tinha o link para o review deles de Eligible, que estava na lista dos mais vendidos no quarto lugar naquela semana. Poderia ter passado batido se não fosse pela palavrinha mágica para chamar minha atenção ‘uma releitura moderna de Orgulho e Preconceito.

Continue Lendo!