Nota Musical – Cher Lloyd

Por , 30 de novembro de 2013 9:30

Que tal encarar um pouco de pop? Hoje vim apresentar para voces uma cantora britânica que eu adoro, e que descobri enquanto estava viciada no programa The X-Factor USA. Depois de ouvir ela ao vivo no programa, fui pesquisar mais sobre a garota, e eis que me viciei nas suas músicas.

images (4)

Cher Lloyd é uma das poucas cantoras pop, que entram no meu repertório do dia-a-dia e que sai do usual indie que não sai do meu ipod. Me encantei com as musicas da garota, que são uma diversão única. Ela é uma britânica de 20 anos, que ficou mundialmente conhecida no programa The X-Factor UK. Ao contrário dos programas do estilo que acontecem aqui no Brasil, que poucos vencedores conseguem se destacar, lá fora há muito reboliço. Cher ficou em 4º lugar na mesma edição que os meninos do One Direction participaram (e ficarão em 3º).

Ela encantou os juizes na sua primeira audiçãio, cantando uma versão de Turn My Swag on, que fez o maior sucesso. A sua mistura de pop com rap, somado com sua voz completamente única rendeu mais de 40 milhões de visualizações da performance no Youtube.

Ela começa a cantar em 01m24s.

 

Depois que saiu do programa, Cher começou a trabalhar no seu primeiro álbum de estúdio e antes do lançamento de Sticks & Stones ela divulgou dois singles, que já deram uma prévia do que seria o seu estilo musical e seu primeiro álbum.

 

27536

Como minha amiga diz, as músicas dela são ótimas para dançar e animar, ou como fizemos, cantar no carro. São rápidas, empolgantes e mistura varios estilos, mas sem deixar de sair do pop. Se fosse para fazer uma analogia, colocaria ela junto a Pink. Uma menina mulher, cheia de atitude e que esbanja talento por aí.

Swagger Jagger, o primeiro single da garota é uma música completamente animada, não da para ficar parada. A música alcançou o primeiro lugar das paradas inglesas na época do seu lançamento em 2011.

 

Outra música que conquistou a todos foi With Ur Love, que também chegou no topo das paradas como o single que vendido em uma semana, perdendo o posto só depois para Rihanna.

Logo depois o album foi finalmente lançado e fez o maior sucesso. Curiosamente existem 3 versões dele, uma americana, uma britânica e outra japonesa. Tudo para agradar aos fãs.

De todas as músicas, que escuto constantemente, nada supera a minha favorita Want U Back, e deixo voces com ela para ver se conseguem curtir mais um pouco desta cantora.

As Aventuras da Agente C

Por , 28 de novembro de 2013 9:34

Bom dia galera! o/

Este mês a Editora Gutenberg está lançando o livro Nada Dramáica, da autora (e colega blogueira do blog Nem um pouco épico) Dayse Dantas!

Que a Dayse escreve muito bem, a gente já sabe… Afinal, os posts dela lá no NUPE já comprovavam isso. MAS ao recebermos esse conto incrível (que vocês vão conferir logo a seguir), só tivemos mais certeza ainda do talento da Day-Z!

Quem narra o conto é a Agente C, uma personagem criada pela protagonista do Nada Dramática, Camila Pinheiro, para representar as situações inusitadas que a menina vive no seu dia a dia. E é impossível não se identificar com ela!

Portanto, capriche no cappuccino, se aconchegue no sofá e… Boa leitura!

 

nada-dramática-700x359

Confira o conto da Agente C!

Entre Páginas – Promessa de Sangue

Por , 28 de novembro de 2013 9:30

Vocês quase tiveram um ataque quando terminaram de ler Tocada pelas Sombras? Pois eu quase tive um. O que foi aquele final, leitores?? Impossível não correr para ler Promessa de Sangue e descobrir o que Richelle Mead preparou para a gente!

Você acha que a série Crepúsculo é uma linda história de amor e acha que já leu sobre como é sofrer por um amor? Sinceramente, você realmente ainda não leu e não sabe o que é perder algo que você mais ama na sua vida.

Se você ainda não leu nenhum livro da série Academia de Vampiros, hoje é dia de começar. Vocês não sabem o que estão perdendo! Se não gostam da muito de vampiros, façam uma força pelo menos para encarar a série Spin-off Laços de Sangue, que é muito superior!

 

Livros da série:

1º O beijo das Sombras

2º Aura Negra

Tocada pelas Sombras

4º Promessa de Sangue

5º Laços de Espirito

6º Ultimo Sacrifício

 

* Essa resenha contém spoilers dos outros livros da série.

 

PROMESSA_DE_SANGUE_1301609077P

A vida da guardiã Rose Hathaway nunca será a mesma. O recente ataque à Academia St. Vladimir devastou todo o mundo Moroi. Muitos estão mortos. E, para as poucas vítimas carregadas pelos Strigoi, o destino é ainda pior. Uma rara tatuagem agora adorna o pescoço de Rose, uma marca que diz que ela matou Strigoi demais para contar. Mas apenas uma vítima importa… Dimitri Belikov. Rose agora deve escolher, um de dois caminhos bem diferentes: proteger uma princesa ou abandonar a academia para sair sozinha em uma caça para matar o homem que ela ama. Ela terá de ir ao fim do mundo para encontrar Dimitri e manter a promessa pela qual ele a implorou. Mas a pergunta é, quando a hora chegar, ele irá querer ser salvo? Agora, com tudo em jogo – e mundos de distancia da St. Vladimir e sua desprotegida e vulnerável, e recentemente rebelde, melhor amiga – Rose pode encontrar forças para destruir Dimitri? Ou, ela vai se sacrificar para ter uma chance em um amor eterno?

 

Continue Lendo!

Entre Páginas – See Jane Score

Por , 28 de novembro de 2013 9:00

Estava no meio de uma leitura tensa e aflita quando, sem mais nem menos, me deparo com a mensagem: “Sem bateria. Favor carregar o e-reader”. Ah, os apuros da vida moderna! Liguei o dito cujo à tomada e vaguei ansiosa por minha estante, na tentativa de encontrar alguma coisa que me distraísse enquanto não pudesse retomar a leitura do ebook.

Meus olhos pararam ali, na última prateleira, de onde meus paperbacks da Rachel Gibson me encaravam sedutoramente. Uma vez que fazia um bom tempo que não dava boas risadas com os rapazes do time dos Chinooks, resolvi mergulhar no segundo livro da série, See Jane Score, e… Ai meu Deus! Tinha me esquecido de como esses livros podem ser viciantes!

 

See Jane ScoreUm tanto subjugada. Um tanto teimosa. E um tanto cansada de ir a encontros “às cegas” com homens que dirigem vans com sofás na traseira, Jane Alcott está vivendo a experiência da “Garota Solteira” na cidade grande. Ela também está levando uma vida dupla. Durante o dia, é uma repórter cobrindo o famoso time de hóquei Seattle Chinooks – especialmente o seu notório goleiro Luc Martineau. À noite, ela é uma escritora, criando secretamente as aventuras escandalosas de “Honey Pie” – uma série de colunas em uma revista, da qual todos os homens estão falando.

Luc deixou os seus sentimentos sobre repórteres parasitas – e Jane – perfeitamente claros. Mas se ele pensa que vai tornar a vida da moça miserável, é melhor pensar novamente. Desde que ele consegue se lembrar, Luc pensa apenas em sua carreira. A última coisa de que precisa é uma repórter espertinha cavando o seu passado e atrapalhando o seu caminho. Mas uma vez que a jornalista troca suas roupas pretas e cinzas por um sexy vestido vermelho, Luc percebe que existe mais em Jane do que ela demonstra à primeira vista. Talvez esse seja o momento de se arriscar. Talvez seja a hora de viver suas fantasias. Talvez esse seja o momento de Jane.

Continue Lendo!

Blá Blá Blá – Sobre leituras paralelas

Por , 27 de novembro de 2013 9:00

Pilha de Livros

 

Nunca gostei de ler mais de um livro ao mesmo tempo.

Sempre fui daquelas leitoras que agarrava um exemplar da estante e andava com ele embaixo do braço, faça sol ou chuva, e só o largava após devorá-lo até a última página (mesmo que a leitura não estivesse tão boa assim…).

Em algum lugar bem escondido na minha mente, tinha a sensação de que, ao abrir aquela obra, firmava uma espécie de “pacto” com o autor e com os personagens que me impelia a lê-la – e somente ela – até o final.

Mas tudo isso mudou.

 

Continue Lendo!

Entre Páginas – O Pacifista

Por , 25 de novembro de 2013 9:00

Dois autores que tive o privilegio de conhecer pessoalmente em 2011, em um mesmo final de semana, me fazem deleitar e ao mesmo tempo, me sentir ‘gente grande’, a cada livro novo que leio deles. O primeiro é norueguês Jostein Gaarder e o segundo é irlandês John Boyne.

112247905SZ

Inglaterra, setembro de 1919. Tristan Sadler, vinte e um anos, toma o trem de Londres a Norwich para entregar algumas cartas à irmã mais velha de William Bancroft, soldado com quem combateu na Grande Guerra. Mas as cartas não são o verdadeiro motivo da viagem de Tristan. Ele já não suporta o peso de um segredo que carrega no fundo de sua alma, e está desesperado para se livrar desse fardo, revelando tudo a Marian Bancroft. Resta saber se o antigo combatente terá coragem para tanto. Enquanto reconta os detalhes sombrios de uma guerra que para ele perdeu o sentido, Tristan fala também de sua amizade com Will, desde o campo de treinamento em Aldershot, onde se encontraram pela primeira vez, até o período que passaram juntos nas trincheiras do norte da França. O leitor pode testemunhar o relato de uma relação intensa e complicada, que proporcionou alegrias e descobertas, mas também foi motivo de muita dor e desespero.

John Boyne é conhecido por O Menino do Pijama Listrado, que fez um sucesso estrondoso no mundo inteiro e fez com que a sua carreira se segmentasse e mais de seus livros pudessem chegar as nossas mãos.

O Pacifista é o 5° livro a ser lançado de Boyne no país e mais do que me fazer me sentir grande, vem demonstrar que John sabe muito bem o que faz. O seus livros geralmente pegam um fato histórico conhecido e popular, e acrescenta um personagem desconhecido e sem um rosto, que irá mudar ter um papel importante, ou não, para a história daquele período.

“Eu ergui os olhos, com o rosto corado devido à posição inclinada, então me levantei de pronto e a encarei, e naquele momento faltaram-me palavras, faltaram-me palavras.”

O Pacifista não relata nenhuma história real de perto (que eu tenha conhecimento), mas ao narrar de uma forma cruel e realista os terrores da primeira guerra mundial, O pacifista mostra que não é preciso muitas páginas para relatar o terror de um conflito, e as suas consequências para todas as pessoas, tanto é que o livro não passa de 224 páginas. Mas com algumas palavras, traça uma linha tênue entre uma pessoa covarde e uma corajosa.

O protagonista do livro irá ser colocado em um desses lados antes do final do livro, e apesar de nós tentarmos justificar as ações dos protagonistas dos livros, Tristan ao final não se esquiva da sua real personalidade, mas é possível perceber o quanto todos os episódios narrados na estória, lhe afetou.

O livro ainda encontra um espaço para também falar sobre a questão da homosexualidade contida do começo do século 20, e como as pessoas lidavam com isso.

Não chega a ser o melhor livro de John (deixe isso para o MARAVILHOSO Palácio de Inverno), mas trás uma firmeza e outro título com poder para a biografia do autor.

Ficha Técnica:

Título: O Pacifista

Autor: John Boyne

Editora: Companhia das Letras

Páginas: 224

Avaliação: 4/5 estrelas

Especial de 50 anos do Doctor Who: Review de The Day of the Doctor

Por , 24 de novembro de 2013 20:44

Sem Título-3

url

Para falar das minhas impressões terei que dividir em dois tópicos,primeiro experiência de assistir em um cinema ao lado de outros fãs do Doctor Who, e depois o ‘filme’ em si:

Ver no cinema:

Quando a oportunidade de ver no cinema esse episódio surgiu, e não hesitei e comprei assim que conseguir, eu já sabia lá atrás que estava me inscrevendo em uma experiência única, só não podia imaginar o quanto.

Primeiro estar em uma sala lotada, onde todos entendem as mesmas referências e dão risadas com as mesmas coisas que você, não só lhe faz reforçar o seu amor pela humanidade como lhe ostra que pode parecer, mas você não está sozinho na sua loucura.

Os produtores ainda fizeram um vídeo de boas maneiras no cinema temática, com um dos personagem da série, Strax, que fez o cinema vir abaixo nas risadas antes mesmo do filme começar. Nova frase no vocabulários dos fãs: ‘Lembre-se: Pipocas também sentem dor.”

E depois disso, ainda tivemos um ‘vídeo de abertura’ trazendo Matt Smith e David Tennant, que por si só já valeram o ingresso.

Achei o3D um pouco desnecessário, e não achei deu tanta diferença assim, mas estamos tão acostumados com isso, que nem é novidade esse ponto.

 

Continua Lendo!

Especial de 50 anos de Doctor Who – O dia em que todo mundo conheceu o Doctor Who

Por , 23 de novembro de 2013 9:00

Sem Título-3

23 de novembro (hoje), Doctor Who, uma série de ficção científica inglesa, completa 50 anos. E se os nossos posts durante a semana não deram nenhuma indicação de quão grande era o legado do Doctor, o doodle de ontem do Google,não só mostrou isso como fez muito mais: fez todo mundo conhecer o Doctor.

Doctor Who

Eu sei que muitas pessoas não tem acesso a essa ferramenta (chineses, meus pêsames), porém tenho certeza que todo mundo que encontra o Googlee diferente um dia ou outro por causa de alguma comemoração específica, acaba tirando um tempo para pelo menos passar o mouse por cima, e saber ao que se refere aquele doodle.

O Google sendo uma empresa de tecnologia, deve conter milhares de fãs da série, o que poderia explicar a grande elaboração que foi, já que ao lado dos doutores as pessoas puderam ter o jogo mais viciante possível.

E o que muda para a popularidade da série, é que hoje quando muitos passarem perto das mais de 31 salas completamente esgotadas pelo país que irão transmiti o episódio especial simultaneamente com o mundo todo, muitos que não entenderiam vão falar ‘eu vi sobre isso ontem no Google.’ Ou podem até se animar e aproveitar o sinal da BBC HD que está liberado por algumas antenas, para ver do que se trata a série.

Todo o falatório em cima de um personagem tão enigmático com o Doutor, só vai trazer uma legião de curiosos, mas vai deixar outra melhor, uma multidão de fãs, que nunca tiveram a curiosidade, mas que assim como muitos, irá  se encantar pelas aventuras do nosso senhor do tempo favorito de Gallifrey.

Como explicar que o episódio especial de hoje, vai ser transmitido simultaneamente para 75 países e que será transmitido em mais de 400 cinemas da Inglaterra mais 300 nos EUA e quase 60 no Canadá? Os diversos outros lugares pelo mundo? Sem contar as mais de 30 salas completamente esgotadas no Brasil?

Plagiando uma frase do 11° doutor, eu poderia explicar como isso aconteceu, mais precisaria de um quadro negro e giz.

Para quem acompanha a série toda essa festa em cima é um pouco surpreendente, mas não pela qualidade da série, mas por termos ficamos tanto tempo a mercê das vontades de outras empresas que não viram o poder da série. Teremos DVD’s das temporadas lançados com mais habitualidade por aqui? Terá uma recuperação maior dos episódios perdidos da série clássica? A série continuará mantendo a curiosidade de quem está chegando agora?

E como não temos uma Tardis para verificar, só o tempo irá dizer!

Especial 50 anos de Doctor Who – 12 fatos que mostram que o Doctor é um Book-a-hollic

Por , 22 de novembro de 2013 9:17

Sem Título-3

*Esse post foi inspirado nas listas do Buzzfeed

Sabe quando falamos que precisamos viver mais de 1000 anos para poder ler todos os livros que queremos?

Bom o Doutor já tem os seus mais de 1200 anos, e ele ainda não leu tudo, mas não foi por falta de tentar.

Ao longo de todos esses anos em que a série esteve ao ar, o Doutor já foi visto lendo várias vezes, comentando e em alguns episódios da série, ele até encontrou escritores (muito) famosos, e abaixo listamos os 12 motivos que mostram que o Doutor é um Book-a-hollic assim como nós.

1.Ele chorou com Harry Potter

tumblr_mwchu5qM7D1r79rh2o1_500

 

2. Ele solta frases como essa:

The Doctor

“Você quer armas? Nós estamos e uma biblioteca! Livros! A Melhor arma do mundo!” O Doutor

3. Ele não gosta que uma estória tenha um fim

tumblr_mb4xu64Cl41qmxhwpo1_500

 

4. Ele odeia spoilers

Pq ele odeia Spoilers

5. Quando não está ocupado salvando algum mundo, ele usa o tempo livre para ler.

tumblr_mw1udga58I1sl44n3o1_500 tumblr_mkj7leqMrb1ql639ho1_r1_250

6. – Ele fala alto enquanto lê, sem perceber.

tumblr_mgi6c8cIBb1qdm7rno4_r1_250

7. Ele têm a oportunidade de conhecer grandes escritores já falecidos, como o Charles Dickens, e revelar a dimensão da importância deles.

tumblr_mnopjkBt7s1rsxeabo1_500tumblr_mnopjkBt7s1rsxeabo4_500

8. Ele também tem a oportunidade de dizer para Shakespeare o que fazer.

tumblr_lyyk8w7eTu1qicnfto1_250

9. E de ser fan boy com Agatha Christie

tumblr_mvsmvcnPGv1ssuoa0o1_500 tumblr_mvsmvcnPGv1ssuoa0o2_500

tumblr_mvsmvcnPGv1ssuoa0o4_500tumblr_mvsmvcnPGv1ssuoa0o5_500

tumblr_mvsmvcnPGv1ssuoa0o6_500

10. Ele lê de tudo sem preconceito.

tumblr_mobcpoKVth1r1i5oxo1_1280 Ep13:

tumblr_mobcpoKVth1r1i5oxo3_250

 

 

 

 

 

 

 

 

11. E se encanta pelo personagens de cada um deles.

tumblr_mb54yrcoFJ1qctci0o1_500

 

12. E a sua Tardis tem a biblioteca dos sonhos de qualquer book-a-hollic

tumblr_mwakhl7AJR1rjrfa9o2_1280

Especial de 50 anos de Doctor Who? – Os 10 melhores episódios

Por , 21 de novembro de 2013 9:38

Sem Título-3

Não se faz série com só um episódio bom e o resto razoável.  Mas quem acompanha uma ou outra, sabe que pode ser fazer uma temporada inteira com vários episódios bons, alguns razoáveis, um ou outro ruim, mas tudo compensa se tiver um sensacional!

Foi difícil e deixei muita trama boa de fora, mas abaixo listo os meus 10 episódios preferidos de Doctor Who:

 10° –  The Empty Child e The Doctors Dances –  (1° Temporada, Episódios 9 e 10)

   dw_emptychild_trio

Você começou a ver Doctor, Who, está quase no final da primeira temporada e até agora nada. Até que surgem dois episódios (que seguem a mesma estória), se passando em Londres em plena Segunda Guerra Mundial. Adicione a entrada de um novo personagem, uma estória triste baseado em um evento da vida real e tempere com uns elementos de terror e uma criança com uma máscara de oxigênio falando ‘Are you my mommy?’, em uma Londres escura e perigosa.

Quote: “Bem-vindo de volta. Faltam 20 anos para a música pop, você vai amar!”

 

Continue Lendo!